4 desafios na gestão de riscos financeiros que podem impactar seu negócio

O risco financeiro de uma empresa está relacionado às perdas envolvendo suas transações comerciais. Elas podem ser motivadas por erros humanos, fraudes, deficiências em processos e práticas inadequadas relativas a clientes. Sendo assim, realizar a gestão de riscos financeiros não é uma tarefa fácil, é preciso avaliar e entender as incertezas relacionadas às operações de mercado e superar os obstáculos constantemente.

No caso das instituições financeiras, a Resolução Nº 4.557/2017, do Banco Central do Brasil, dispõe sobre a estrutura de gestão de ameaças. De acordo com o texto, as instituições fiscalizadas pelo órgão precisam adequar seus controles internos, de modo que sejam capazes de prevenir os riscos de crédito, operacional, socioambiental e outros.

Assim, cabe a cada uma delas adotar políticas e estratégias a fim de identificar e avaliar a probabilidade de ocorrência de perdas financeiras, sendo obrigatório o aperfeiçoamento contínuo de seus próprios sistemas.

Além do mercado financeiro

Os outros setores empresariais também precisam seguir regras de ética e transparência. O programa de integridade, previsto na Lei nº 12.846/2013, a qual foi regulamentada pelo Decreto nº 8.420/15, determina uma série de medidas voltadas para a detecção e correção de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira.

Neste sentido, os riscos financeiros de uma empresa podem ser associados à ausência de código de conduta e ética, omissão no cumprimento de normas regulatórias e negligência no relacionamento com clientes e terceiros. Cabe à área de gestão de risco sanar tais deficiências, tarefa que esbarra em alguns desafios, como veremos a seguir.

Conheça os 4 desafios na gestão de riscos financeiros:

1. Cadastros incompletos

Os procedimentos recomendados na relação com clientes e terceiros começam pelo cadastro. Dados incompletos prejudicam a aplicação de ações de due diligence, por isso, é extremamente importante que as informações contidas em cadastro sejam verídicas e consistentes, de modo que permitam a compreensão exata da origem de recursos, bens e valores, além do propósito da relação.

2.  Grandes quantidades de falsos positivos

Sistemas de prevenção a fraudes mal calibrados apresentam altos índices de falsos positivos. Isso pode resultar na reprovação de bons clientes, impactando os resultados financeiros da empresa, além de ocasionar um gasto excessivo de tempo em análises desnecessárias.

3. Controles Internos ineficientes

Monitorar o cliente ao longo do relacionamento exige da empresa métodos assertivos, capazes de avaliar o risco de cada caso. Esses processos devem ser realizados de maneira única e proporcional ao risco que o cliente representa. Por isso, controles internos incompatíveis com o porte e volume de atividades ou operações da empresa podem resultar em um monitoramento inadequado e em avaliações incorretas acerca da idoneidade de clientes e terceiros, prejudicando o cumprimento de regulamentações e leis.

4.  Análise de grandes volumes de informações

Fazer gestão de risco significa olhar para as citações na mídia, checar bancos de dados, verificar se o nome de um determinado cliente consta em alguma lista restritiva ou em processos judiciais. Em outras palavras, este trabalho pode ser exaustivo e desempenhá-lo de maneira manual é praticamente impossível.

Sendo assim, conclui-se que a melhor forma de se prevenir dos riscos financeiros é reunindo o maior número de informações possíveis sobre clientes e parceiros. Assimé mais fácil analisar o risco envolvendo cada um deles e identificar indícios de prática de crimes financeiros.

Quer descobrir como fortalecer os processos de due diligence da sua empresa? Conheça os 10 benefícios do maior banco de dados reputacional do mercado.

Pessoa Exposta Politicamente – PEP

PEP – Pessoa Exposta Politicamente é o conceito definido pelo Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI) para representar o profissional que atua ou que tenha atuado em uma função pública relevante em seu país.

A recomendação 12  do GAFI sugere que os países assegurem que as instituições financeiras criem políticas e procedimentos internos preventivos para o relacionamento comercial com PEPs.

O ponto mais importante é não colocar o termo PEP ou a pessoa como algo ruim para o seu negócio. Na verdade, é apenas um sinal de alerta. Deve-se considerar as partes envolvidas, a operação em si, o tipo de negócio que ela está fazendo, a habitualidade dos negócios e a fundamentação econômica da transação que a PEP quer realizar.

Pensando nesta realidade, a AML Risco Reputacional oferece ao mercado a mais completa lista de Pessoas Expostas Politicamente do mercado, que conta com mais de 500 mil perfis cadastrados, tendo por base os critérios estabelecidos na legislação, nas Circulares 3.978 do Bacen, 612 da Susep e Instrução 617 da CVM , além de atender às melhores práticas nacionais e internacionais.

Lista PEP

Realize consultas internacionais

Passamos a contar com a extensa base de listas internacionais da Accuity, parceira da AML, que possui listas de sanções internacionais com aprimoramentos, mídia negativa, listas de restritivos locais, listas de empresas estatais e base de PEPs de 250 países e territórios, incluindo o titular, familiares e relacionados.

Banner E-book PEP

Além da constante atualização, ela dispõe de Score de Risco de cada perfil, para Classificação do Cliente e auxílio na Avaliação Interna de Risco, assim como consultas manuais ou via API, através de CPF/CNPJ e suporte técnico especializado.

Para saber mais sobre a Lista PEP da AML, utilizada atualmente por mais de 200 empresas de diversos segmentos, entre em contato com nossos especialistas.