SP: operação da PF prende 17 por fraude trabalhista


Agentes da Polícia Federal prenderam na manhã desta quinta-feira 17 pessoas – entre elas empresários, líderes sindicais e um delegado do Ministério do Trabalho – acusadas de participar de um esquema de fraudes entre empregadores, empregados e funcionários do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) na região de São José do Rio Preto, interior de São Paulo.

A operação, batizada de Tamburutaca, mobiliza mais de 200 agentes em 14 cidades da região para cumprir 44 mandados de busca e apreensão e 18 mandados de prisão. O delegado chefe da PF de Rio Preto, William Marcel Murad, não quis dar detalhes da operação mas confirmou a prisão das 17 pessoas. "Não posso dar informações porque foi decretado sigilo e a divulgação pode atrapalhar o andamento e o sucesso da operação", disse o delegado. "Estão sendo cumpridos 44 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão, sendo duas preventivas e 16 temporárias", disse.

O esquema consistia no pagamento de propinas a fiscais do MTE para livrar as empresas do pagamento de multas por irregularidades trabalhistas. Entre os presos está o delegado regional do MTE em Rio Preto, Robério Caffagni e líderes sindicais, que também participariam do esquema. Ainda pela manhã, agentes da PF prenderam o delegado, que mora em um condomínio de Rio Preto. Ele prestava depoimento no início da tarde na delegacia.

A operação, que é fruto de dois anos de investigações, causou a paralisação do atendimento ao público nas delegacias do Ministério do Trabalho e da Polícia Federal, para onde estão sendo levados documentos fiscais e computadores apreendidos e os acusados. Por isso, segundo a PF, o atendimento e a emissão de passaporte foram suspensos e só devem ser retomados nesta sexta-feira.