Sheik é condenado por contrabando após Justiça reverter sentença

O atacante foi investigado ao lado de Diguinho pela Polícia Federal acusados de lavagem de dinheiro e contrabando


Nesta segunda-feira, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região do Rio de Janeiro, revisou o processo do atacante Emerson Sheik que absolvia o jogador da acusação de contrabando, e o condenou por saber que estava comentendo crime quando importou ilegalmente duas BMWs dos Estados Unidos.

"A participação do réu na importação do veículo é inconteste e está demonstrada em trechos de conversa telefônica interceptada por decisão judicial", diz a procuradora. "Daí se verifica que foi ele quem efetivamente desembolsou o dinheiro para pagar a vinda da BMW."

Se condenado, o jogador pode pegar de um a quatro anos de prisão, uma vez que não é réu primário. Emerson ainda pode recorrer a decisão e realizar um novo julgamento.

Após se declarar inocente em março de 2012, Emerson se pronunciou e saiu em defesa de Diguinho, que também virou réu no processo por lavagem de dinheiro e contrabando.

"O dito popular diz “quem não deve não teme”. Minha consciência está totalmente tranquila, tenho a certeza absoluta que não fiz nada. Eu fui enganado como muitos outros. Tenho tranquilidade para poder trabalhar, pegar meus filhos e levá-los ao shopping, ao restaurante e levar uma vida normal. Diguinho é meu amigo e foi tão enganado quanto eu. Mais de 110 pessoas foram enganadas, mas sou o ‘Emerson Sheik que joga no Corinthians’, o Diguinho joga no Fluminense…", afirmou na ocasião.

Para disfarçar a transação da venda de um dos carros para Diguinho, a dupla trocou cinco notas fiscais entre si para o mesmo veículo, segundo as investigações. Para o tricolor, a justiça concedeu uma suspensão da condenação, em troca do cumprimento de exigências como comparecimento periódico à Justiça e não se ausentar do País sem autorização.

A operação Black Ops foi realizada pela Polícia Federal em 2011 e identificou 30 pessoas no esquema. Uma parte da quadrilha foi condenada por lavagem de dinheiro. Os bicheiros José Caruzzo Escafura e Piruinha estavam entre os envolvidos.