Sergio Moro aceita convite para Ministério da Justiça do governo Bolsonaro

Em nota, juiz da Lava Jato promete 'forte agenda anticorrupção'


O juiz Sergio Moro aceitou nesta quinta-feira (1) convite para assumir o Ministério da Justiça e da Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro (PSL), presidente eleito no domingo (28).

Responsável pela Lava Jato em Curitiba, o juiz Sergio Moro foi sondado para compor o ministério de Jair Bolsonaro (PSL) ainda durante a campanha.

Moro conversou com Bolsonaro na manhã desta quinta no Rio, na casa do capitão reformado, na Barra da Tijuca.

Em nota, o futuro ministro disse que aceitou o convite para o Ministério da Justiça e da Segurança Pública na gestão Bolsonaro após uma reunião para discutir políticas para a pasta.

“Fiz com certo pesar, pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, à lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior”, disse Moro.

Moro chegou ao Rio às 7h30 desta quinta e saiu do aeroporto escoltado pela Polícia Federal.

Antes de se reunir com Bolsonaro, tomou café em uma sala reservada em hotel de luxo da Barra da Tijuca, a poucos metros da casa do capitão reformado.

Ele chegou para o encontro por volta de 9h e conversou por cerca de duas horas com o presidente eleito. O encontro foi acompanhado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que foi o responsável por fazer a primeira sondagem a Moro, ainda durante a campanha.

O magistrado tentou falar na saída, mas foi pela multidão que se formou na porta do condomínio formada por apoiadores e jornalistas.

Poucos minutos depois, ele distribuiu uma nota, assinada com a data desta quinta, com localização de Curitiba, cidade onde mora.

A Operação Lava Jato seguirá com os juízes de Curitiba. Moro afirmou que se afastará das novas audiências e que mais detalhes serão fornecidos em coletiva de imprensa na próxima semana. Ele já não participará de audiência com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no próximo dia 14, que deverá ficar a cargo da juíza substituta Gabriela Hardt.

O novo titular definitivo da Lava Jato ainda será definido.

Em mensagem no Twitter, Bolsonaro disse que “a agenda anticorrupção, anticrime organizado, bem como respeito à Constituição e às leis, será o nosso norte!”.

Leia na íntegra a nota enviada pelo juiz Sergio Moro:

“Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão. Após reunião pessoal na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito a Constituição, a lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes.”