Repatriação entra em pauta na Câmara dos Deputados na quarta, diz Rodrigo Maia

Presidente da casa esteve em Pernambuco na manhã desta sexta (10) para iniciar discussão com o governador do estado sobre o tema. Encontro precedeu reunião com outros governadores em Brasília, na próxima semana.


A lei de repatriação de recursos mantidos por brasileiros no exterior deve entrar em pauta na Câmara dos Deputados na quarta-feira (15). Durante visita a Pernambuco nesta sexta-feira (10) para cumprimentar o apoio do governo durante a campanha para a presidência, o presidente da casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), alegou que o tema deve ser discutido ainda em fevereiro, assim como com a convalidação de incentivos fiscais.

Antes de serem discutidos pelos parlamentares, os temas deve nortear uma reunião com governadores dos estados em Brasília, na próxima semana. “A ideia é discutir temas de interesse dos governadores. Além da repatriação, a convalidação de incentivos fiscais é um tema importante porque trata de empregos que foram gerados em quase todos os estados”, afirmou.

Para Maia, há chances de as pautas serem aprovadas na Câmara dos Deputados devido à mobilização de chefes de municípios e estados. “Nós ainda vivemos uma crise apesar de todo o esforço do governo Michel Temer. A arrecadação ainda não começou a recuperar o crescimento e a repatriação deve dar um fôlego aos governadores já no primeiro semestre, como deu no fim do ano passado”, explicou.

Em dezembro, o governo federal antecipou aos municípios o repasse do montante de uma parte da arrecadação da União com a multa do programa de repatriação após reclamações de prefeitos. A medida provisória publicada no “Diário Oficial da União” previa, inicialmente, o repasse em janeiro de 2017, mas diante das reclamações de prefeitos, o pagamento foi antecipado para dezembro do ano passado.

Ligação com a OAS

Ainda durante a visita ao governador de Pernambuco, Paulo Câmara, Maia reforçou a opinião dada na quinta (9), sobre a investigação da Polícia Federal (PF) que ligou seu nome à empreiteira OAS. De acordo com o presidente da Câmara, a investigação é ‘absurda’, mas diz respeito somente à ele

“O meu inquérito tem relação comigo, com meu mandato, com a minha honra e da minha família. Se uma pessoa vazou de forma leviana e ilegal um relatório, esse é um problema que eu tenho com essa pessoa”, afirmou.