Prefeito de Contagem, Alex de Freitas, é alvo de operação do Ministério Público

O chefe do Executivo, que atualmente está sem partido, é investigado por lavagem de dinheiro e ocultação de bens e valores. Secretário é investigado por compra de casa por mais de R$ 3 milhões, onde prefeito mora atualmente


Uma operação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), na manhã desta quarta-feira (17) tem como alvo o prefeito de Contagem, Alex de Freitas (sem partido), e o secretário de Defesa Social do município, Décio Camargos de Aguiar Júnior.

A Polícia Civil cumpriu, na manhã desta quarta-feira (17), quatro mandados de busca e apreensão nas casas e nos gabinetes do prefeito e do secretário. A Operação “Mi Casa Su Casa” foi montada para investigar crimes de lavagem de dinheiro, ocultação de bens e valores, além de outros possíveis crimes contra o dinheiro público.

De acordo com o MPMG, há indícios de enriquecimento ilícito do prefeito e do secretário. As investigações, que começaram em setembro do ano passado, apontam que o secretário Décio Camargos comprou um imóvel de R$ 3.390.000, onde mora atualmente o prefeito Alex de Freitas. Mais de R$ 1 milhão foi pago em dinheiro. Os valores seriam incompatíveis com os salários recebidos pelos dois na prefeitura.

Fernando Lima, delegado da Policia Civil afirmou que, em 2008, quando Décio foi candidato a vereador, declarou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) patrimônio de R$ 1.400.000. Já em 2018, quando concorreu a deputado, o patrimônio informado pelo secretário de Contagem teria sido ultrapassado R$ 19 milhões.

Em nota, a Prefeitura de Contagem disse que o prefeito sempre esteve à disposição da Justiça para qualquer esclarecimentos e que ele disponibiliza todos os documentos a órgãos de controle. Além disso, a prefeitura confirmou que Alex de Freitas aluga um dos imóveis do secretário e que o contrato atende a todas as regras da legislação (leia no fim desta reportagem a nota na íntegra).

Participam da operação um procurador de Justiça, um promotor, dois delegados e 15 policiais civis. A operação é realizada em conjunto entre a Promotoria de Justiça de Combate aos Crimes Praticados por Agentes Públicos Municipais do MPMG, a Polícia Civil e o Grupo de Apoio Operacional Policial (órgão ligado ao Núcleo Especial de Combate à Corrupção).

Alex de Freitas, de 45 anos, foi eleito prefeito da cidade pelo PSDB com 72,96% dos votos. Em janeiro deste ano, ele anunciou sua saída do partido. À época, ele disse que “nenhum grande partido passou incólume ao clamor das ruas” e que “torna-se urgente a reconstrução do partido e a superação dos conflitos éticos que os brasileiros exigem”. O chefe do Executivo ainda não anunciou um novo partido.

Nota da Prefeitura de Contagem

“1. O prefeito Alex de Freitas sempre esteve e continua à disposição da Justiça para prestar qualquer esclarecimento e disponibilizar todos os documentos aos órgãos de controle e fiscalização do Poder Executivo. Essa é uma obrigação do gestor público.

2. Em relação à operação desencadeada pela Polícia Civil nesta quarta-feira, 17 de julho de 2019, o prefeito de Contagem, Alex de Freitas, esclarece:

a. O prefeito aluga um dos imóveis, em Contagem, de propriedade de Décio Camargos;

b. O contrato de locação atende a todas as regras previstas na legislação;

c. Os alugueis do imóvel onde o prefeito reside são declarados no Imposto de Renda de Alex de Freitas, o que pode ser comprovado por extrato bancário.

3. Diante do exposto, é impossível não ficar indignado com uma operação policial para investigar um assunto que poderia ser esclarecido pelo mero envio de documentos oficiais e declarados à Receita.

4. A cidade de Contagem pode ter certeza que o trabalho, a coragem e o empenho do prefeito Alex de Freitas não serão afetados por operações consideradas, no mínimo, duvidosas. Manteremos a cidade funcionando e os investimentos em obras e melhorias como tem sido a prática desta administração.”