Policiais apreendem 25 milhões de euros do narcotráfico em Madri


A polícia espanhola e o FBI apreenderam, nesta segunda-feira, em Madri, 25 milhões de euros de venda de cocaína colombiana na capital da Espanha, segundo reportagem do jornal espanhol "El País". Essa é a maior quantia originada do tráfico já apreendida na cidade.

A operação, que contou com o apoio da procuradoria de Miami, nos Estados Unidos, faz parte de uma investigação contra a maior rede europeia de lavagem de dinheiro do narcotráfico. A quantia foi encontrada em dois esconderijos dentro da casa do chefe da quadrilha, o traficante Álvaro López Tardón, em um dos bairros mais luxuosos de Madri, La Moraleja.

A polícia também interditou 21 imóveis na Espanha e outros quatro nos EUA, que somam 75 milhões de euros. Também foram apreendidos 60 veículos, entre eles um modelo Ford Cobra avaliado em mais de dois milhões de euros.

No fim de semana, 16 pessoas foram presas na Espanha e outras quatro em Miami, além do próprio chefe Tardón. Seu irmão, Artemio López Tardón, também fazia parte da quadrilha e, segundo a procuradoria do estado da Flórida, era responsável por distribuir e vender as drogas em Madri. Depois, Artemio enviava o dinheiro para o irmão, em Miami, que, junto com dois sócios, lavava-o com a compra de dezenas de apartamentos e carros de luxo.

Os integrantes que viviam em Miami moravam em South Beach, um conhecido reduto de celebridades e uma das áreas mais ricas da cidade. Segundo a polícia, eles costumavam carregar malas com muito dinheiro e recentemente tinham comprado uma mansão de 1,5 milhão de euros.

Fundada na capital espanhola, a rede existe desde os anos 1990 e era liderada por Juan Carlos Peña Enano. Aos poucos, o grupo conseguiu o controle de pontos de venda estratégicos na cidade, como as casas noturnas.

Em 2004, os irmãos Tardón se separaram da quadrilha e formaram sua própria organização, apesar de terem mantido o mesmo nome, "Los Miami", que continuou a atuar na mesma região de Madri e com o mesmo esquema operacional.