Polícia investiga esquema de venda de quadros falsificados em SP

Obras seriam do artista plástico Aldemir Martins, morto em 2006. Segundo representantes do artista, o material não é autêntico


A Polícia Civil de São Paulo investiga um esquema de venda de obras falsificadas do artista plástico Aldemir Martins, morto em 2006.
 
Cinco pinturas foram apreendidas na sexta-feira (5) e outras três estavam com um colecionador. Segundo representantes do artista, o material não é autêntico.
 
Entre as cinco obras apreendidas, uma foi encontrada no momento da entrega, na capital paulista, e outras quatro dentro de uma galeria responsável pelas vendas, em Bertioga, no litoral do estado.
 
Os investigadores da Delegacia de Repressão a Crimes Cometidos Contra Fé Pública do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic) identificaram um empresário que tinha três obras suspeitas de falsificação que foram compradas na galeria. Os quadros tinham certificado de autenticidade assinado pelo artista, com firma reconhecida em cartório.
 
O Estúdio Aldemir Martins, dirigido por Pedro Martins, filho do artista, fez uma avaliação nas obras, e revelou que elas não eram autênticas.
 
Na última sexta, o empresário receberia um novo quadro – foi quando ocorreu a apreensão.
 
Os donos da galeria foram procurados, e outras obras recolhidas no local, além de notas fiscais e gravuras.
 
O responsável pela galeria deverá comparecer ao Deic para esclarecer a venda dos quadros.