Polícia Federal rastreia saque de R$ 8 milhões em agência bancária de Teresina

Investigação apura o destino do dinheiro no Piauí


Polícia Federal rastreou um saque de R$ 8 milhões ocorrido em 2012 numa agência bancária de Teresina. O volume do dinheiro, sacado na boca do caixa, reforçou a tese de crime de lavagem de dinheiro. Como apurou o Capital Teresina, o valor, destoante de uma transação bancária convencional, levantou a hipótese do envolvimento de empresa de transporte de valores da cidade num esquema de corrupção que envolve grilagem de terras e lavagem de dinheiro.

Desde 2013, uma série de matérias do Capital Teresina vem denunciando casos de irregularidades na comercialização de terras nos Cerrados piauienses. O novo fato, descoberto em maio deste ano, reforça as denúncias veiculadas. De acordo com os dados da Polícia Federal, a operação bancária ocorreu no dia 14 de setembro de 2012. Naquele dia, um empresário sacou R$ 8.316.000,00 no caixa de uma agência de Teresina. O dinheiro teria sido enviado por uma empresa de imóveis do sul do Brasil para aquisição de terras num negócio que envolvia o Instituto de Terras do Piauí – Interpi.

O destino do dinheiro é desconhecido, porém, as suspeitas dos órgãos de investigação apontam para ações de grilagem de terras. O saque e o valor batem com a gravação em poder dos investigadores onde há um relato de uma susposta divisão de milhões num apartamento de autoridade política do Piauí que fazia parte do staff do Estado naquele período.

De acordo com a PF, foi descoberto nas investigações mais de R$ 18 milhões movimentados no Piauí, de forma suspeita, pela empresa com sede no sul do país. A Polícia Federal se aproxima do desfecho no caso.