Polícia espanhola desarticula rede de prostituição que explorava brasileiros


A polícia espanhola desarticulou uma quadrilha internacional de exploração sexual que usava emails e redes sociais na internet para aliciar vítimas, entre elas brasileiros. De acordo com o jornal "El Pais", por meio de sites como Facebook e Twitter, o grupo oferecia empregos na Espanha no setor de hotelaria. A rede de prostituição levou do Brasil para o país mais de cem mulheres e homens, alguns deles transexuais.

A investigação que levou à ação contra a quadrilha começou há mais de um ano e meio, a partir do testemunho de seis vítimas, e terminou com a prisão de 22 pessoas nas cidades de Girona e Barcelona. Elas são acusadas de favorecimento à imigração ilegal, delitos contra os direitos dos trabalhadores e relativos à prostituição e associação ilícita.

De acordo com o jornal, foi descoberta uma rede de bordéis onde as vítimas eram exploradas depois de entraram na Espanha, vindas geralmente do Brasil e passando pela França. As vítimas contraíam dívidas de 2.500 euros a 9 mil euros com a quadrilha. Elas tinham que pagar 70 euros por dia para poder usar o local onde se prostituíam, eram multadas se infringissem normas de comportamento, pagavam por gastos com luz, telefone e televisão, tornando-se "escravas", segundo a polícia.

No mês passado, pela primeira vez na história do país, foi desbaratada uma quadrilha de exploração sexual masculina que tinha brasileiros entre suas vítimas.