Polícia alemã descobre rede de lavagem de dinheiro após roubos espetaculares


A polícia da Alemanha expropriou nesta quinta-feira 77 imóveis pertencentes a um clã de origem libanesa, que tinha adquirido os mesmos nos últimos anos com dinheiro supostamente obtido em vários roubos espetaculares em Berlim.

O Ministério Público de Berlim e o Escritório de Investigações Criminais (LKA, na sigla em alemão) da capital explicaram em entrevista coletiva que o dinheiro supostamente procede de golpes como o roubo de uma moeda comemorativa de 100 quilos de ouro, a maior do mundo.

Os imóveis estão avaliados em 9,3 milhões de euros, segundo estimativas do Ministério Público.

Entre as ações criminosas que são atribuídas ao clã libanês, que é formado por cerca de 16 pessoas, está o midiático roubo do museu Bode, situado na ilha dos museus em Berlim, de uma moeda de 100 quilos de ouro puro, uma peça manufaturada em 2007 pela Real Casa da Moeda do Canadá e com valor nominal de US$ 1 milhão.

O clã também é suspeito de estar por trás do assalto espetacular a uma agência bancária em Berlim em 2014, no qual foram levados 10 milhões de euros e os criminosos utilizaram explosivos. Após esse crime, a polícia realizou várias detenções, mas não conseguiu recuperar os valores subtraídos.

A polícia conseguiu desarticular o esquema após descobrir que o irmão de um dos detidos pelo assalto à agência bancária, que estava desempregado e recebia auxílio do governo, adquiriu um imóvel