PM comandava quadrilha de contrabando de cigarros em Minas Gerais


Doze pessoas foram presas pela Polícia Federal em Minas Gerais, acusadas de integrar uma quadrilha que atuava no contrabando e venda de cigarros trazidos do Paraguai.
 
A operação, batizada de Cortina de Fumaça, foi realizada na manhã desta quinta-feira. O grupo, liderado por um policial militar da ativa e com a participação de vários de seus familiares, tinha como base a cidade de Montes Claros, de onde atuava em todo o norte do Estado de Minas Gerais.
 
Foram cumpridos ainda 19 mandados judiciais de busca e apreensão. Além disso, foram realizados dois flagrantes com a apreeensão de centenas de caixas de cigarros. A investigação mostrou que a cada compra eram movimentados mais de R$ 200 mil e que a quadrilha já havia lucrado mais de R$ 1 milhão com os negócios ilícitos.
 
Na manhã desta quinta-feira, duas carretas, com cerca de 300 mil maços de cigarros, foram apreendidas na BR-277 em Cascavel, no Paraná. Os cigarros eram contrabandeados do Paraguai e estavam misturados à carga de milho. Dois motoristas foram presos. Eles disseram que o milho seguiria para o Rio Grande do Sul, mas não informaram o destino do cigarro.