PF investiga empresas de fachada em operação contra lavagem de dinheiro


A polícia Federal cumpriu um mandado de busca e apreensão na manhã de hoje, expedido pela Justiça Federal, em inquérito policial que apura lavagem de dinheiro por meio do uso de duas empresas de “fachada”, registradas em nome de “laranjas”. A sede ficava em Florianópolis.

Um dos investigados, morador do bairro Kobrasol, em São José/SC, aliciou pessoas pra figurarem nos quadros societários das empresas. Depois disso, abriu contas em instituições financeiras e passou a utilizá-las pra movimentar dinheiro oriundo de facção criminosa sediada no Rio Grande do Sul.

Foram movimentados mais de dois milhões de reais em apenas uma das contas, em menos de 15 dias. A justiça decretou quebra de sigilo.

Em buscas realizadas no apartamento localizado no continente, foram encontrados cheques em nome do principal “laranja” e carimbos em nome de terceiros, além de outros inúmeros documentos falsos, como carteira de identidade, CPF, certificado de reservista, CTPS, cartão cidadão. Tinha até um passaporte.

Os investigados vão ser indiciados por crime de lavagem de dinheiro, cuja pena pode chegar a 10 anos de prisão, conforme previsto no art. 1º da Lei nº 9.613/98, além das penas pra cada um dos crimes de uso de documento falso que forem comprovados.