PF faz operação para desmantelar esquema de lavagem de dinheiro


A Polícia Federal e a Receita Federal deflagraram na manhã desta quinta-feira (22) uma operação para desmantelar um esquema de lavagem de dinheiro, operação de câmbio paralelo e evasão de divisas intermediado por uma quadrilha que vinha atuando havia três anos na região da fronteira com o Paraguai. Investigações apontam que em três anos mais de R$ 300 milhões foram movimentados por empresas fantasmas e de fachada de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, e do país vizinho.

No total, devem ser cumpridos seis mandados de prisão preventiva, 28 mandados de prisão temporária, seis mandados de condução coercitiva e 43 mandados de busca e apreensão em Foz e em Medianeira. A organização desmantelada durante a operação Sustenido, aponta a PF, era responsável por intermediar as transações entre o Paraguai e empresas espalhadas por vários estados brasileiros.

Durante os nove meses de investigação, apurou-se que o responsável pelas 46 empresas fantasmas usava boletos bancários para movimentar o dinheiro de forma ilegal, com remessas para outra empresa no Paraguai, que também usava casas de câmbio no esquema fraudulento, tudo isso para evitar a circulação do dinheiro em espécie. Parte dos valores era repassada a donos de lojas no Paraguai e narcotraficantes, que enviavam mercadorias e drogas para os 'clientes' no Brasil.

Até as 20h15, 29 pessoas haviam sido presas em Foz do Iguaçu e região. Ainda segundo a PF, outras pessoas suspeitas de participar da quadrilha estão sendo procuradas no Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Entre os presos está um empresário do ramo alimentício.