PF faz operação de combate ao jogo do bicho em MG


A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira uma operação em combate a uma organização criminosa que praticava delitos de jogo do bicho, corrupção policial e lavagem de dinheiro. A força-tarefa, formada também por Ministério Público Estadual de Minas Gerais, Receita Federal do Brasil e Polícia Rodoviária Federal, cumpriu sete mandados de prisão preventiva, quatro de busca e apreensão, além do sequestro de bens móveis e imóveis, adquiridos com os proventos da infração.

Batizada de "Jackpot II", em referência ao prêmio pago por máquinas de cassino, a atuação contou com 50 servidores, em Varginha e Pouso Alegre. Os alvos da ação eram contraventores que operavam o jogo do bicho, empresários e policiais civis.

Após terem sido presos temporariamente em dezembro de 2013, os chamados "Barões do Bicho" retomaram a atividade de jogatina. As testemunhas do caso passaram a correr risco de ser intimidadas ou corrompidas pelos criminosos, que, além de contar com o apoio de pelo menos três policiais, detinham elevado poder econômico, com movimentações mensais de cerca de meio milhão de reais com a atividade ilegal de jogatina e delitos conexos. 

Apurou-se que um dos investigados, também detido, apresentou movimentação financeira aproximada de 27 milhões de reais em três anos, por meio de uma pequena empresa situada em Varginha.

Os infratores responderão pelas infrações penais de jogo de azar, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de bens e valores, cujas penas cominadas somam mais de vinte anos de prisão.