PF faz operação contra quadrilha que mandava cocaína para a África do Sul


A Polícia Federal realiza nesta terça-feira uma operação para desmontar uma quadrilha especializada em enviar cocaína ao exterior em contêineres. Os traficantes também usavam os chamados "mulas", pessoas que levam a droga em malas ou no próprio corpo.

Agentes que participam da Operação Mapinguari cumprem sete mandados de busca e apreensão, além de dez mandados de prisão temporária em São Paulo, Campinas e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. Simultaneamente, ocorrem prisões e buscas na África do Sul, onde a South African Police Service (SAPS) investigou parte da quadrilha.

No Brasil, os investigados agiam como intermediadores, ao oferecer a droga para compradores do continente africano e da Itália. A cocaína era trazida do Paraguai e passava por território brasileiro.

Em agosto de 2010, um container-tanque foi apreendido na cidade portuária de Port Elizabeth, na África do Sul, onde estavam escondidos 166 quilos de cocaína. Quatro meses depois, um italiano, radicado no Brasil e também integrante da quadrilha, foi preso no aeroporto de Salvador, quando transportava cerca de 9 quilos da droga no fundo falso de sua mala. O estrangeiro era o responsável pelo agenciamento das "mulas".

Ainda na África do Sul, também foi preso um ex-militar cubano, acusado pelos Estados Unidos de espionagem e tráfico de drogas. Ele mantinha contatos frequentes com os intermediadores brasileiros e paraguaios com a finalidade de realizar novas exportações do entorpecente.

As investigações da Polícia Federal brasileira foram apoiadas por órgãos da África do Sul e do Paraguai.

Segundo nota enviada pelo setor de Comunicação Social da PF, as pessoas envolvidas no esquema criminoso serão indiciadas por tráfico internacional de drogas e, se condenadas, estão sujeitas a penas que variam de 5 a 15 anos de reclusão, além de multa.