PF desarticula quadrilha que falsificava dinheiro em São Paulo e distribuía para o resto do país


A Polícia Federal desarticulou, nesta sexta-feira, uma quadrilha que fabricava dinheiro falso em São Paulo e distribuía para o resto do país, na operação Ventania . Nove pessoas do bando foram presas nesta sexta em São Paulo. Outras cinco já haviam sido detidas na quinta-feira no Ceará. Uma pessoa permanece foragida e é procurada em São Paulo. Algumas delas tinham mandado de prisão e outras foram presas em flagrante. Com os acusados, a PF apreendeu grande quantidade de cédulas de R$ 100, R$ 50 e R$ 20 falsas, máquinas para falsificação, além de documentos falsos, como RGs, carteiras de identidade, e cheques da Caixa Econômica Federal.

Segundo o chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários da PF em São Paulo, Marcelo Sabadim Baltazar, essa é a maior operação desse tipo nos últimos dois anos, no que se refere ao volume de notas apreendidas e o número de fábricas fechadas.

– Fechamos quatro fábricas de notas falsas, uma no Centro de São Paulo, uma no bairro de Pirituba, uma na cidade de Diadema e outra em Santo André – afirmou o delegado.

De acordo com a PF, a quadrilha distribuía notas falsas em todos os estados do país.

– Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais são os que estão encabeçando a distribuição dessa quadrilha – explicou Baltazar.

O delegado Marcelo Baltazar informou que a qualidade das notas era boa, capaz de enganar as pessoas comuns. As cédulas chegavam à população quando os bandidos adquiriam produtos no comércio ou trocavam as notas.

– A denúncia da população foi o ponto de partida para a operação. É preciso que o cidadão apresente a nota falsa na Polícia Civil, na Polícia Federal, para que tenhamos dados e possamos desarticular quadrilhas como essas – afirmou o superintendente regional da PF em São Paulo, Leandro Daiello Coimbra.

As investigações, que tiveram início em outubro de 2009, apontam que a quadrilha fabricava e distribuía cerca de R$ 350 mil por mês, totalizando durante o período investigado aproximadamente R$ 2,5 milhões. Desde o começo das investigações, a PF apreendeu 242 mil cédulas fabricadas pela quadrilha em todo o país. A quantidade apreendida nesta sexta-feira ainda está sendo contabilizada.

Os criminosos presos serão indiciados pelos crimes de moeda falsa, formação de quadrilha e falsidade documental. Somadas, as penas ultrapassam 12 anos de prisão. A maior parte do grupo criminoso tem antecedentes criminais, especialmente pelo crime de moeda falsa, além de falsificação de documentos, estelionato, formação de quadrilha, roubo e homicídio.

Sessenta agentes federais participaram da operação nesta sexta-feira.