Para Odebrecht, morte de Teori gera incerteza no futuro da empresa


Integrantes da Odebrecht já reconhecem que a morte do ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no STF, gerará um clima de incerteza no futuro da empresa. Executivos agora querem entender quais serão os próximos passos da operação sem Teori.

Na próxima semana, já haveria uma série de audiências de executivos da empreiteira antes da homologação final que era prevista para ocorrer no mês de fevereiro.

A grande preocupação é que a tragédia vá trazer demora no processo, o que dificultará a empreiteira a virar a página desse episódio que tem trazido prejuízo ao caixa da empresa.

Além disso, se cria indefinição sobre os executivos que já prestaram depoimentos prévios ao procurador-geral da República, além dos que ainda estão presos, como o próprio Marcelo Odebrecht.

A grande dúvida agora é saber quem será o novo relator da Lava Jato e quando ele será nomeado.

Caso haja uma definição do próprio Supremo no início dos trabalhos do Judiciário, isso já criaria uma trava, até porque o novo relator teria que ter tempo para tomar pé da situação.

O pior cenário seria aguardar o novo ministro indicado pelo presidente Michel Temer, que ainda teria de ser sabatinado e aprovado pelo Senado. Isso poderia deixar a Lava Jato parada por alguns meses no âmbito do Supremo.

Como revelou o Blog, cresce o consenso de que, como a morte de Teori foi um fato extraordinário, e, por isso, o processo deve ser redistribuído a um dos ministros da Corte.