Operação “São Thomé” desarticula funcionários da Sema


Foram presas na manhã de hoje, 15 pessoas, na operação “São Thomé”, deflagrada pela Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema) em conjunto com Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso. A Justiça decretou 17 mandados de prisão temporária e 19 mandados de busca e apreensão contra uma quadrilha de grilagem de terras para obtenção de documentos falsos para esquentar madeiras extraídas de áreas ilegais.

Investigações apontam que no esquema de falsificação, estavam envolvidos funcionários da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), um servidor e uma ex-servidora estão entre os presos na operação, deflagrada hoje pela manhã. Jackson Monteiro de Almeida já foi preso em outra operação, a "Arco de Fogo", mas continuava atuando.

A ex-servidora é Roserlaine Aguiar de Figueiredo, presa em Cuiabá. De acordo com o secretário da Sema, Alexander Maia, ela era contratada e foi demitida no ano passado por suspeita de envolvimento em crimes. Ela fazia análise de imagens. "Não para por aí,  existem outros casos  que estão sendo investigados" afirma o secretário. 

Os mandados foram cumpridos em Cuiabá, Várzea Grande, Sinop, União do Sul, Cláudia, Peixoto de Azevedo, Pontes e Lacerda, Marcelândia e Tapurah. Iniciaram-se as investigações em 2007, com a invasão de uma fazenda no município de União do Sul (719 km a Oeste de Cuiabá).

Os detalhes das investigações e o resultado final da operação serão divulgado durante entrevista coletiva, às 14h30, no auditório da sede da Diretoria Geral da Polícia Judiciária Civil, na Av. Coronel Escolástico, em Cuiabá, pelo delegado Carlos Fernando Cunha, títular da Dema.

Os presos vão responder por formação de quadrilha, espulho possessório, falsidade documental, uso de documento falso, extração ilegal de madeira, inserção de dados falsos em bancos de dados da administração pública, denunciação caluniosa, e corrupção ativa e passiva.