Operação propina verde prende 24


In­ves­ti­ga­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Go­i­ás (MP) de su­pos­to es­que­ma de frau­des na con­ces­são de li­cen­ças am­bien­tais operado na Se­cre­ta­ria de Meio Am­bi­en­te e Re­cur­sos Hí­dri­cos (Se­marh) culminou na prisão, on­tem, de 24 pes­so­as – de 25 man­da­tos de pri­são ex­pe­di­dos pe­la jus­ti­ça. En­tre os pre­sos, dez ex-ser­vi­do­res da secretaria. Tam­bém fo­ram de­ti­das du­as pes­so­as em fla­gran­te por por­te ile­gal de ar­ma de fo­go. Ao to­do foi apreendido R$ 765 mil em di­nhei­ro e che­ques. 
 
Se­gun­do o MP, ha­vi­am dois es­que­mas na Se­marh: um na área de fis­ca­li­za­ção e ou­tro na ge­rên­cia de bi­o­di­ver­si­da­de. No pri­mei­ro, os pro­pri­e­tá­rios ru­ra­is eram co­a­gi­dos pa­ra que hou­ves­se pa­ga­men­to de pro­pri­na pa­ra evi­tar mul­tas. Já o se­gun­do atu­a­va na con­ces­são de li­cen­ças am­bien­tais e aver­ba­ção de re­ser­va le­gal pa­ra pro­pri­e­tá­rios ru­ra­is. 
 
A le­gis­la­ção do Có­di­go Flo­res­tal obri­ga que ca­da pro­pri­e­da­de ru­ral na bi­o­di­ver­si­da­de do cer­ra­do de­va ter 20% de ve­ge­ta­ção pre­ser­va­da. De acor­do com a pro­mo­to­ra de meio Am­bi­en­te, San­dra Gar­be­li­ni, o pro­pri­e­tá­rio ru­ral que­ren­do usar a to­ta­li­da­de da área po­de lo­car em ou­tra fa­zen­da a re­ser­va le­gal, des­de que a no­va área se­ja na mes­ma ba­cia hi­dro­grá­fi­ca. 
 
O es­que­ma na Se­marh per­mi­tia que uma mes­ma área fos­se lo­ca­da di­ver­sas ve­zes com di­fe­ren­tes ma­trí­cu­las. “O es­que­ma pos­si­bi­li­tou a cri­a­ção de ‘an­da­res’ em al­gu­mas áre­as. As lo­ca­ções eram so­bre­pos­tas”, ex­pli­ca o pro­mo­tor do Gru­po de Re­pres­são ao Cri­me, Adri­a­no Go­doy Fir­mi­no. Ele des­ta­ca es­sa ação nos mu­ni­cí­pios de Cai­a­pô­nia, Ca­val­can­ti, Pla­nal­ti­na e No­va Ro­ma. “Te­mos no­tí­cias de aver­ba­ções de ter­ra sem ter pro­ces­so na Se­marh.” O MP ex­pli­ca que, de­pen­den­do da lo­ca­li­za­ção,  as áre­as des­ti­na­das à re­ser­va le­gal ex­tra­pro­pri­e­da­de eram ne­go­ci­a­das por até R$ 3 mil o al­quei­res. 
 
De acor­do com o pro­mo­tor, no se­gun­do es­que­ma ha­vi­am três gru­pos de atu­a­ção: os ser­vi­do­res da Se­marh, os in­ter­me­di­á­rios – des­pa­chan­tes e pes­so­as que ti­nham li­vre aces­so ao ór­gão e fa­zi­am as do­cu­men­ta­ções aos ser­vi­do­res – e os res­pon­sá­veis téc­ni­cos – en­ge­nhei­ros agrô­no­mos, cor­re­to­res de imó­veis e agri­men­so­res, que ven­di­am as áre­as pa­ra ser re­ser­va le­gal. 
 
A Po­lí­cia Ci­vil e o MP re­ce­be­ram di­ver­sas de­nún­cias so­bre o es­que­ma de pro­pi­na na Se­marh. O co­or­de­na­dor do GRC, pro­mo­tor Jo­sé Car­los Mi­ran­da, ex­pli­ca que há pro­ces­sos na Se­cre­ta­ria que aguar­dam aver­ba­ção há oi­to anos e al­guns ou­tros já re­ce­bi­am o en­ca­mi­nha­men­to em se­te mi­nu­tos.