Novo projeto de bingos ‘favorece’ lavagem de dinheiro, diz Cardozo

Ministro da Justiça criticou duramente o projeto que corre na Câmara. Segundo ele, verdadeiros beneficiários são 'apenas 11 casas de bingos'


O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou neste domingo (2) que o novo projeto para legalizar as casas de bingo, que tramita na Câmara dos Deputados, "favorece sobremaneira" a lavagem de dinheiro.
 
"Esse projeto, da forma que está, realmente favorece sobremaneira a lavagem de dinheiro e, portanto, indiretamente o crime organizado", disse o ministro.
 
O projeto criticado surgiu como alternativa após a negativa de documento semelhante que tinha o mesmo intuito e foi derrubado pelos deputados no mês passado. "Sou manifesta e declaradamente contrário ao projeto da lei dos bingos, e louvo a decisão da Câmara dos Deputados ao rejeitar aquele substitutivo, e creio que o texto original é ainda pior que o substitutivo", declarou.
 
Cardozo falou à imprensa após a cerimônia de transmissão de cargo no Ministério da Justiça, em Brasília. Ele também comentou a decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de negar à Itália o pedido de extradição de Cesare Battisti.
 
O ministro pontuou aquilo que considera negativo no novo projeto da lei dos bingos. "Em primeiro lugar, porque parece que ele beneficia diretamente apenas 11 [casas de] bingos, esses são os grandes beneficiários do projeto. Em segundo lugar, porque as verbas repassadas ao poder público são ínfimas e, portanto, a contraprestação a uma situação danosa que esse projeto cria é muito pequena para o estado", disse.
 
Cardozo também referiu-se à função de fiscalização que o projeto delega à Receita. "As salvaguardas que foram colocadas na questão da lavagem de dinheiro são inaceitáveis. A Receita Federal não tem condições de cumprir aquelas salvaguardas que estão colocadas", ressaltou.
 
"Se aprovado esse projeto, os bingos poderão, sim, servir para a lavagem de dinheiro, o que é uma questão que, para nós, é de vital importância evitar. Quando se combate o crime organizado, nós temos que dentre outras coisas asfixiá-lo na questão financeira, e a lavagem de dinheiro vai exatamente na contramão daquilo que nós queremos hoje fazer no país."
 
O ministro falou que a pasta falará publicamente sobre esse projeto quando for necessário. "Espero que a próxima legislatura sepulte de vez essa iniciativa, que não trará nenhum benefício à sociedade brasileira", disse.