Na CPI, Nike e Adidas são acusadas de usarem futebol para lavagem de dinheiro

Comissão recebeu jornalistas que investigam as relações das duas multinacionais no País. Eles as acusam de práticas ilegais


A CPI do Futebol, comissão parlamentar de inquérito presidida pelo senador Romário, esteve reunida na manhã desta quinta-feira com os jornalistas Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr. e Leandro Cipoloni. Eles são os autores do livro "O lado sujo do futebol", lançado no ano passado e que teve o prefácio assinado por Romário.

Amaury Ribeiro Jr. prometeu entregar à CPI documentos sobre o que denomina "Conexão México". Eles mostram, segundo o jornalista, que empresas como a Nike e a Adidas teriam esquemas internalizados de lavagem de dinheiro no Brasil. O repórter investigativo acusa essas e outras companhias de se valerem de instrumentos legais como a Lei Geral da Copa como fachada para a prática de ilegalidades, contando com a conivência de autoridades do Banco Central.

Ele acrescenta que a Lei Geral da Copa também foi utilizada por empresas da área de comunicação para sonegar impostos.O jornalista garantiu que repassará essa documentação à CPI em outra audiência, por não dispor dos papeis comprobatórios no momento.

Azenha sugeriu à comissão que a investigação tenha entre outros alvos os intermediários dos contratos da CBF. O profissional, que trabalha para a TV Record, lembra que grandes ligas como a NBA (do basquete norte-americano) e outras jamais utilizam intermediários. Para ele, o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira era o sócio oculto de empresas como a Traffic, de outras ligadas a Sandro Rosell (ex-dirigente da Nike e do Barcelona) e à ISL, todas intermediárias de contratos milionários.

"Esses intermediários servem apenas para a distribuição de propinas", disse.

Para Cipoloni, o fato de Teixeira nunca ter sido condenado em muitas das investigações as quais foi submetido só pode ser explicado pela "leniência das autoridades".