MP-RJ e Polícia Civil fazem operação contra quadrilha que aplicava golpes em aposentados e pensionistas

Agentes cumprem mandados em quatro estados contra 33 integrantes do grupo, que movimentou R$ 190 milhões em ações consideradas atípicas pelo Coaf


Uma operação da Polícia Civil do RJ e do Ministério Público do Rio de Janeiro cumpriu nesta quinta-feira (27) mandados de busca e apreensão contra golpistas que miravam aposentados e pensionistas.

De acordo com o Coaf, o grupo movimentou cerca de R$ 190 milhões em ações consideradas atípicas e suspeitas.

Agentes estiveram em endereços em quatro estados: Rio, São Paulo, Espírito Santo e Bahia. São investigadas 33 pessoas.

Na casa de um dos alvos, um casal em Itapecerica da Serra (SP), a polícia encontrou dinheiro em espécie, e chamou a atenção o luxo da residência.

Como funcionava o esquema

De acordo com as investigações, os criminosos ofereciam a falsa promessa de revisão judicial de benefícios junto à Previdência Social e o pagamento de benefícios atrasados. As vítimas eram quase todas idosas.

Segundo os investigadores, a suposta revisão era uma desculpa para que eles se filiassem a entidades e pagassem anuidades.

Como argumento, os golpistas afirmavam que o caso era “causa ganha” com base em uma suposta decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que os beneficiaria. As ações nunca eram ajuizadas e, quando isso acontecia, eram extintas rapidamente, sem o julgamento do mérito pela Justiça.

Entre os anos de 2014 e 2019, constatou-se a existência de 226 ações, entre execuções de títulos extrajudiciais e ações de cobrança, visando ao recebimento ilegal das anuidades.

Centenas de inquéritos foram instaurados, tanto por iniciativa dos lesados, quanto pelas requisições dos Juízos Cíveis, quer nas delegacias distritais do centro do Rio de Janeiro, quanto na Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade, que foram e são ainda investigados individualmente.

Os denunciados também são acusados por crimes de lavagem de dinheiro. Além das condenações pelos crimes apontados, a denúncia do MP-RJ requer ainda a reparação dos prejuízos sofridos pelos idosos.