MPF pede multa de R$ 62 milhões por corrupção no Comperj


O MPF entregou à juíza Gabriela Hardt as alegações finais no processo que investiga o pagamento de propina em obras no Comperj, o Complexo Petroquímico do Rio, informa a Veja.

No documento, a Procuradoria pede a condenação de seis diretores da Petrobras e do consórcio Pipe Rack, por esquemas de corrupção em contratos avaliados em R$ 1,8 bilhão.

Além disso, o MPF pede o pagamento de R$ 62 milhões como forma de ressarcimento aos prejuízos causados pela corrupção.

Um dos réus na ação é Rodrigo Tacla Durán, foragido na Espanha, apontado como operador financeiro do esquema.