MP denuncia Haddad por corrupção e lavagem de dinheiro

Em nota, a assessoria do ex-prefeito de São Paulo demonstrou surpresa com a denúncia no período eleitoral


O ex-prefeito da capital paulista e vice na chapa presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Fernando Haddad foi denunciado nesta segunda-feira, 3, pelo Ministério Público de São Paulo, suspeito de ter cometido os crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Segundo a denúncia, ele teria recebido R$ 2,6 milhões da construtora UTC Engenharia para pagamento de dívidas de campanha.

O pedido de recursos ao ex-presidente da UTC Ricardo Pessoa, entre abril e maio de 2013, teria sido feito por meio do então tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, conforme a denúncia. Ele teria pedido uma quantia de R$ 3 milhões para o pagamento de uma dívida de campanha do recém-eleito prefeito.

Autor da denúncia, o promotor Marcelo Mendroni diz que Vaccari Neto “representava e falava em nome de Fernando Haddad“. De acordo com o MP, houve um encontro pessoal do presidente da UTC com Haddad após assumir a Prefeitura de São Paulo, em fevereiro de 2013.

Vaccari e Pessoa também foram denunciados pelo MP-SP, assim como o doleiro Alberto Youssef e o ex-deputado estadual pelo PT Francisco Carlos de Souza.

Em nota, a assessoria de imprensa do vice de Lula afirmou que “surpreende que, no período eleitoral, uma narrativa do empresário Ricardo Pessoa, da UTC, sem qualquer prova, fundamente três ações propostas pelo Ministério Público de São Paulo, contra o ex-prefeito e candidato a vice-presidente da República, Fernando Haddad. É notório que o empresário já teve sua delação rejeitada em quase uma dezena de casos e que ele conta suas histórias de acordo com seus interesses”.

Outra denúncia

Na última semana, Fernando Haddad foi denunciado pelo MP por improbidade administrativa e declarou que contrariou interesses de Pessoa. “No meu caso ele tinha razão para mentir. Eu cancelei com 44 dias (de mandato) uma obra milionária da UTC e Odebrecht… Porque eu cancelei? Porque meu secretário me disse que a obra estava superfaturada”, afirmou o ex-prefeito.

O candidato a vice-presidente também questionou as denúncias neste momento de campanha. “A gente fica pensando o que está por trás disso”, disse. “Durante 24 anos o PSDB atua em São Paulo, tem escândalo em todo canto, não tem nada ali que pare em pé e não há nada, nenhum procedimento.”