México e EUA assinam acordos contra tráfico de armas e lavagem de dinheiro

Autoridades mexicanas terão acessos a sistemas que melhoram os trabalhos de rastreamento de armas


México e Estados Unidos assinaram na terça-feira, 5, dois acordos de combate conjunto ao crime organizado, um para frear e rastrear o tráfico de armas e o outro para enfrentar e detectar as operações de lavagem de dinheiro, a fim de lutar contra os cartéis do narcotráfico.
 
Pelo primeiro acordo, o México terá acesso à base de dados "E-Trace", que permitirá saber de forma precisa de onde procedem as armas obtidas pelos cartéis do narcotráfico e controlá-las na origem.
 
O diretor do Escritório de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos (ATF) americano, Kenneth Melson, afirmou que o sistema "E-Trace", que tem aplicativos em inglês e espanhol, melhorará os trabalhos "de rastreamento de armas que estão na raiz na violência dos cartéis".
 
Segundo o funcionário americano, esta função permite às autoridades fundamentar suas investigações e apresentar melhores casos diante dos juízes contra narcotraficantes e grupos criminosos.
 
"Hoje é uma data histórica. Consideramos que este acordo salvará inúmeras vidas e mandará muitos traficantes de armas à prisão", acrescentou.
 
O segundo acordo é um memorando de entendimento para que os Estados Unidos entreguem um equipamento especial avaliado em US$ 2,9 milhões para o combate à lavagem de dinheiro, o que permitirá – segundo o vice-procurador-geral dos EUA, Lanny Breuer – reforçar "de maneira conjunta" a colaboração entre os dois países nesta matéria.
 
Breuer ressaltou que as duas partes continuarão investigando para detectar as operações de lavagem de dinheiro provenientes de organizações criminosas.
 
Por sua vez, o procurador-geral mexicano, Arturo Chávez, reconheceu que os dois acordos permitirão ao México reforçar as tarefas de combate ao narcotráfico e crime organizado, que deixou mais de 28 mil mortos nos últimos três anos e meio.