Lava Jato denuncia operador do PSDB e outras cinco pessoas por lavagem de R$ 100 milhões


A força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná denunciou Paulo Vieira de Souza – operador do Partido Social Democrático Brasileiro – PSDB, conhecido como “Paulo Preto”-, Rodrigo Tacla Duran, Fernando Migliciaccio, Olívio Rodrigos, Marcello Abbud e Samir Assad por diversos crimes de lavagem de dinheiro. O operador do PSDB também foi denunciado por embaraço de investigação de organização criminosa.

A acusação, resultado da 60ª fase da Lava Jato, deflagrada em 19 de fevereiro, foi protocolada nesta segunda-feira (25), junto à 13ª Vara Federal de Curitiba. As investigações revelaram um sofisticado esquema de lavagem de dinheiro, em sucessivias camadas, realizadas no Brasil e no exterior.

A denúncia descreve um complexo esquema de lavagem de capitais decorrentes dos crimes praticados por executivos de duas empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção no âmbito da Petrobras: Odebrecht e UTC. As provas colhidas evidenciaram que as construtoras valeram dos operadores financeiros Paulo Vieira de Souza e Rodrigo Tacla Duran para ocultarem a origem e a movimentação de recursos criminosos, forma a obterem milhões de reais em espécie para o pagamento de proprina a agentes públicos e políticos.

Segundo o procurador da República Roberson Pozzobon, “chama a atenção a longa relação criminosa de Paulo Vieira de Souza com os conhecidos e confessos operadores financeiros Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran. A relação entre os criminosos perdurou por mais de uma década, contemplando diversas estratégias de lavagem de capitais, como entregas fracionadas de valores em espécie, repasses no exterior para contas em nome de offshores, aquisição subfaturada de imóvel, e celebração de joint venture criminosa. Conforme evidenciado por registros no celular de Paulo Vieira de Souza, seus contatos com o operador Rodrigo Tacla Duran não cessaram nem mesmo após este se refugiar na Espanha para escapar da responsabilização perante as autoridades brasileiras”.