Jornais acusam Cristiano Ronaldo e Mourinho de fraude fiscal milionária


O atacante Cristiano Ronaldo e o técnico José Mourinho teriam participado de um “sistema de camuflagem fiscal e lavagem de dinheiro”, acusou nesta sexta-feira (2) um consórcio de jornais esportivos. Os representantes do jogador e do treinador negam.

Esse consórcio de publicações espera publicar nas próximas semanas suas investigações sobre fraude e evasão fiscal no futebol.

A partir de informações obtidas pelo jornal alemão Der Spiegel, os diários afirmam que Cristiano Ronaldo teria “camuflado 150 milhões de euros (R$ 553 milhões em valores atuais) em paraísos fiscais, na Suíça e nas Ilhas Virgens Britânicas”, beneficiando-se de “um sistema elaborado por seu empresário, Jorge Mendes”.

Ainda segundo o consórcio, batizado de European Investigative Collaborations (EIC), José Mourinho teria “dissimulado 12 milhões de euros (R$ 44 milhões) da Receita, colocando o dinheiro em uma conta na Suíça de uma empresa com registro nas Ilhas Virgens Britânicas”.

O técnico português teria sido alvo de “uma inspeção fiscal na Espanha” e isso teria “se traduzido em um ajuste de 4,4 milhões de euros (R$ 16 milhões), penalizações incluídas”.

Estes primeiros fatos se referem a “um sistema” colocado em pé pelo empresário das duas estrelas portuguesas, o também luso José Mendes, que teria escondido “pelo menos 185 milhões de euros (R$ 682 milhões) em receitas de patrocínio da vista das administrações fiscais, através de uma rede de empresas de fachada e de contas offshore na Irlanda, Ilhas Virgens Britânicas, Panamá e Suíça”.

A empresa de Jorge Mendes, a Gestifute, respondeu nas primeiras horas desta sexta-feira, antes da publicação das acusações, afirmando que Cristiano Ronaldo e Mourinho respeitam “plenamente suas obrigações fiscais diante das autoridades espanholas e britânicas”.