Italiano procurado pela Interpol é preso no Ceará

O italiano Gilberto Di Loreto foi preso, na tarde de quarta-feira, em Canoa Quebrada. Ele é apontado como um dos chefes de uma organização criminosa que já teria traficado cerca de dois mil quilos de cocaína para a Itália.


Está recolhido a uma das celas da Superintendência Regional da Polícia Federal (PF) em Fortaleza, o motorista de nacionalidade italiana Gilberto Di Loreto, 54. Com nome na lista de procurados pela Polícia Criminal Internacional (Interpol), ele foi preso por policiais federais do Ceará na praia de Canoa Quebrada, município de Aracati, na última quarta-feira, 21.

Di Loreto é apontado pela Polícia como um dos chefes de uma organização criminosa que teria traficado cerca de dois mil quilos de entorpecentes para a Itália, sobretudo para Roma. Ao ser preso, ele se encontrava em uma barraca de praia acompanhado por três mulheres que não tiveram a identificação revelada.

De acordo com as informações da PF, a ação consistiu no cumprimento de mandado de prisão para extradição do italiano, que foi expedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Brasil e Itália tem Tratado de Extradição assinado desde 17 de outubro de 1989. Por enquanto o italiano permanece preso, custodiado à disposição da Justiça.

Mais drogas

No momento que foi apanhado na praia, Di Loreto tinha escondido no sapato um papelote contendo entorpecente. Nas investigações que fez em torno do caso, a PF apurou que o motorista estava residindo há bem pouco tempo em Canoa Quebrada. Em sua casa, os policiais ainda encontraram vários outros papelotes de cocaína, prontos para a revenda. A droga estava acondicionada em um cano de PVC. Na residência também foi localizada uma balança de precisão.

Todo o material foi apreendido e o italiano recebeu voz de prisão em flagrante pelo delegado Thomas Wlassak, que esteve à frente da operação. Apanhado de surpresa, Di Loreto não teve tempo para reagir à prisão.