Hong Kong intercepta 290 kg de cocaína vindos da América do Sul


O Departamento de Alfândegas de Hong Kong confiscou em um terminal de contêineres 290 kg de cocaína procedente da Bolívia que tinha como destino o mercado chinês, anunciaram nesta quarta-feira as autoridades do país.

A investigação continua aberta e por enquanto ninguém foi preso, relatou John Lee, chefe do Escritório de Investigação de Entorpecentes do departamento de Alfândegas da ex-colônia britânica.

A cocaína, de alta qualidade e avaliada em aproximadamente US$ 33 milhões, foi interceptada em 29 de dezembro.

Para frear todo tipo de atividade internacional de tráfico de cocaína, as alfândegas de Hong Kong intensificaram as inspeções de contêineres suspeitos procedentes da América do Sul.

Seguindo esta diretriz, uma equipe de funcionários de alfândegas interceptou dois contêineres no terminal de Kwai Chung que diziam abrigar "produtos de madeira" em um navio procedente do Chile. Durante a inspeção, na qual se empregou um sistema de raios-X e cães adestrados, os funcionários descobriram um carregamento de cocaína em um dos contêineres.

Segundo fontes da Polícia informaram à Agência Efe, "acredita-se que toda a cocaína que chega a Hong Kong tem como origem a América do Sul". No entanto, na cidade do sul da China a droga mais consumida é a quetamina.

A legislação de Hong Kong pune o tráfico de entorpecentes com penas que vão de multa a até prisão perpétua.