Homem é preso por operar negócio milionário ilegal de lavagem de dinheiro com criptomoedas e tráfico de metanfetamina


Um morador de Westwood, em Los Angeles (CA), se declarou culpado por negociar criptomoedas ilegalmente junto à prática de lavagem de dinheiro e venda de drogas na deep web.

Kunal Kalra, de 25 anos, confessou estar envolvido num esquema de US$ 25 milhões.

Operando sem licença, ele fazia a troca de dinheiro e criptomoedas para indivíduos, incluindo traficantes de drogas.

Um comunicado do Departamento de Justiça dos EUA (DOJ), na última sexta-feira (23), informa que o homem se declarou culpado pelos seguintes crimes:

“Distribuição de metanfetamina, operação de um negócio de transmissão de dinheiro sem licença, lavagem de dinheiro e falha em manter um programa eficaz de combate à lavagem de dinheiro.”

Kalraque também era conhecido como “Kumar“, “shecklemayne” e “coinman“, lidava apenas com clientes de alto volume dispostos a trocar pelos menos US$ 5 mil por BTC em cada transação.

Ele operou o negócio de câmbio virtual durante dois anos — de 2015 a 2017.

Parte do esquema ocorria em um caixa eletrônico de Bitcoin em um quiosque, onde os documentos de identificação dos clientes nunca eram solicitados ao realizar as transações. 

O esquema teria ido por água abaixo depois que Kalra vendeu dois quilos de metanfetamina por US$ 6 mil para um agente da lei que estava disfarçado, em junho de 2017. 

Em seguida, os dois se encontraram novamente para trocar US$ 50 mil em BTC por dinheiro fiduciário. 

A polícia apreendeu US$ 889 mil em dinheiro das contas bancárias e veículos do criminoso e cerca de 54,3 BTCs e outras criptomoedas. 

A sentença máxima que Kalra pode receber por essas acusações é a prisão perpétua, segundo o comunicado. Ele também enfrenta acusações criminais federais no Texas.

Atividades ilícitas e criptomoedas

O bitcoin e outras criptomoedas têm sido as moedas favoritas dos criminosos nos últimos tempos devido à dificuldade em rastrear os ativos. 

Tráfico de drogas ilegais e lavagem de dinheiro são dois dos principais argumentos usados por autoridades governamentais e críticos que acreditam que as criptomoedas são, primordialmente, uma ferramenta para atividades ilícitas.