Homem é preso no interior do Paraná suspeito de desviar dinheiro de milhares de contas bancárias

Investigação foi realizada pela Polícia Civil do DF, e prisão aconteceu nesta quarta-feira (4), em Umuarama. Nos e-mails do suspeito havia dados de mais de 50 mil contas bancárias e senhas.


Um homem de 49 anos foi preso nesta quarta-feira (4) em Umuarama, no noroeste do Paraná, suspeito de desviar dinheiro de milhares de contas bancárias de todo o país. A investigação foi realizada pela Polícia Civil do Distrito Federal (DF).

O empresário do ramo de transportes, Itamar Silva Pereira, acessava as contas das vítimas invadindo computadores com vírus e, depois, saqueava o dinheiro, de acordo com a polícia. Os agentes contaram que chegaram até ele monitorando endereços eletrônicos.

A investigação começou há um ano, a partir do registro de boletim de ocorrência por cinco vítimas do DF e por um banco.

Nos e-mails do suspeito foram encontrados dados de mais de 50 mil contas bancárias e senhas. A polícia diz que, em um mês, ele invadiu 33 mil contas de vítimas de todo o país.

A polícia do DF não diz exatamente o valor do prejuízo causado, mas estima que é milionário.

Além da prisão preventiva do suspeito, que é por tempo indeterminado, foram sequestrados seis veículos, dois deles de luxo. A polícia também apreendeu dois notebooks e celulares.

O empresário deve responder por furto mediante fraude e lavagem de dinheiro. A polícia também suspeita que ele seja o líder de uma organização criminosa e vai investigar a participação de outras pessoas a partir dos equipamentos eletrônicos apreendidos na casa do suspeito durante a operação.

A Polícia Civil de Umuarama deu apoio aos policiais do DF na operação.

O outro lado
O advogado Danilo Barbosa, que defende Itamar Silva Pereira, informou em nota que, até o presente momento, não obteve acesso à íntegra dos autos do processo.

“O investigado nega veemente os injustos fatos lhe atribuídos, sendo que permanecerá colaborando com a investigação e Justiça para esclarecimento da verdade”, diz a nota.