Ex-presidente do Paquistão é preso por lavagem de dinheiro

Asif Zardari foi detido em casa por soldados do NAB, órgão anticorrupção do país. O Superior Tribunal rejeitou o prolongamento da liberdade provisória


O ex-presidente do Paquistão e viúvo da ex-primeira-ministra assassinada Benazir Bhutto, Asif Ali Zardari, foi detido nesta segunda-feira (10) por suposta lavagem de dinheiro.

Zardari, do opositor Partido Popular do Paquistão (PPP), foi detido em sua casa de Islamabad por soldados do NAB, órgão anticorrupção, informou à Agência Efe uma fonte dessa organização que preferiu manter o anonimato.

Horas antes, o Superior Tribunal de Islamabad tinha rejeitado o prolongamento da liberdade provisória de Zardari e de sua irmã Faryal Talpur, que não foi detida.

O político e Talpur, entre outros, estão sendo investigados por uma comissão que inclui membros da Agência Federal de Investigação e dos serviços de inteligência por ordem do Supremo por supostamente ter lavado dinheiro.

Segundo um relatório da comissão, o ex-presidente e seus cúmplices “lavaram” 4,2 bilhões de rúpias (R$ 107,6 milhões) através de 29 contas bancárias em nome de outras pessoas.

Viúvo da ex-primeira-ministra Benazir Bhuto, assassinada em um atentado em 2007, Zardari teve há décadas problemas com a justiça por corrupção e já esteve preso quase 11 anos por diversos casos.

Zardari, que presidiu o país entre 2008 e 2013, negou qualquer atividade criminosa e afirmou que trata-se de uma investigação politicamente motivada promovida pelo governante Paquistão Tehreek-i-Insaf (PTI) do primeiro-ministro, Imran Khan.

Outros partidos como a Liga Muçulmana do Paquistão do também ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, que cumpre duas penas de prisão, e Shahbaz Sharif, em liberdade condicional, também denunciaram casos anticorrupção contra eles por motivos políticos.