Estado de Nova York investiga moeda virtual Bitcoin

Por Agência Brasil


O regulador de serviços financeiros do estado de Nova York (DFS) pediu relatórios a 22 empresas sobre as atividades relacionadas com a bitcoin, moeda virtual da internet, informou nesta segunda-feira uma fonte próxima ao caso.
 
Os requerimentos foram enviados na semana passada e tratam "de uma longa série de informações, inclusive controles sobre lavagem de dinheiro, proteções aos consumidores, estratégias de investimentos, documentos de apresentação (perante investidores em potencial) e outros materiais", indicou a fonte.
 
Entre as companhias às quais se pediu relatórios estão empresas que vendem bitcoins ou aceitam pagamentos com esta moeda virtual, como BitInstan, BitPay, Coinbul, Zipzap e Coinbase, mas também sociedades de investimento como a Google Ventures (intermediária da gigante da internet), Winklevoss Capital Management (fundada pelos dois irmãos que ficaram conhecidos por acusar Mark Zuckerberg de ter roubado deles a ideia do Facebook) e Andreessen Horowitz.
 
O DFS não confirmou a lista de sociedades às quais formulou os pedidos, mas destacou em um memorando público "ter lançado uma investigação sobre mecanismos regulatórios, que deveria pôr em andamento sobre as divisas virtuais".
 
O DFS concluiu que o setor deveria estar pelo menos submetido a algumas das regras que afetam os operadores de câmbio de moeda e inclusive se questiona se deve implementar normas específicas, sempre segundo o documento.
 
"Vimos casos em que o anonimato que as moedas virtuais oferecem foi utilizado por perigosas organizações do crime organizado, como o tráfico de drogas, a lavagem de dinheiro, o tráfico de armas e a pornografia infantil", destacou o texto.