Especialista em lavagem de dinheiro assume PF do Estado

Delegado confirmou que negociação para envio de mais agentes para MS


Luciano Flores, delegado da Polícia Federal, assumiu oficialmente o cargo de superintendente da Polícia Federal para Mato Grosso do Sul na tarde desta sexta-feira (23), no prédio da Advocacia-geral da União (AGU), em Campo Grande. Ele é especialista em crimes de lavagem de dinheiro e afirmou que a prioridade da instituição será combater o crime organizado, a corrupção e o tráfico.

O policial, que já está no cargo há pouco mais de um mês – foi nomeado em 31 de janeiro -, confirmou que foram feitas três reuniões em Brasília para tratar do policiamento na fronteira. Nesses encontros, que tiveram a participação de integrantes do Ministério da Segurança Pública, direção da Polícia Federal e representantes do Estado, foi tratado, principalmente, a vinda de reforço para o efetivo.

“Não falta vontade e planos. A prioridade da Polícia Federal é combater o crime organizado, a corrupção e o tráfico. Somos ainda um país muito carente, mas tratamos o desvio de verba pública como um crime hediondo”, disse Luciano Flores.

O antigo superintendente, Ricardo Cubas, presente na posse, disse que a PF no Estado conseguiu atingir a primeira colocação no ranking de produtividade da instituição, ao realizar 101 operações em 2017. “Quando assumi, a PF do Estado tinha a 9ª colocação no índice de produtividade. Em 2017, ela terminou em primeiro lugar, com 101 operações realizadas”, ressaltou o superintendente que ficou no cargo de meados de 2015 até início de 2018.

Flores ressaltou o trabalho de seu antecessor, ao mencionar que mesmo com o baixo efetivo policial ainda assim foi possível realizar uma centena de operações.

LAMA ASFÁLTICA

No âmbito da principal operação de combate a desvio de recursos públicos no Estado, a Lama Asfáltica, o delegado ressaltou que o andamento dela prossegue e desdobramentos dependem da investigação e perícia de documentos apreendidos em outras fases.

“Dizer que a Lama Asfáltica está próxima ou distante do fim não seria acertado de minha parte como adminsitrador. Isso depende de outros fatores que não estão ao meu alcance. O que posso garantir é que as investigações da Lama Asfáltica têm prioridade naquilo que é necessário. Não só a parte que já foi executada, como de eventuais novas investigações”, afirmou.

HISTÓRICO

O delegado Luciano Flores integrou equipe da Lava-Jato e conduziu mandado de busca e apreensão na casa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ele saiu da equipe da Lava Jato para atuar nas Olimpíadas do Rio, em 2016, depois atuou na superintendência do Espírito Santo. O policial é de Santa Maria (SC) e graduado em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Enquanto atuava na Lava-Jato, também conduziu as prisões do doleiro Alberto Youssef e José Dirceu.