Em operação, Polícia Civil prende assessor da Câmara Legislativa

Funcionário é suspeito de tráfico de influência e falsidade ideológica e é alvo da Operação Escalada


Investigadores da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Cecor) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) cumpriram, na manhã desta sexta-feira (20/09/2019), mandado de prisão temporária contra um assessor da deputada distrital Telma Rufino (Pros). A parlamentar não é alvo da Operação Escalada.

Ele é suspeito de tráfico de influência e falsidade ideológica. De acordo com as investigações, o servidor é acusado de outros crimes ainda em apuração. A Cecor afirma que ele se valia da “influência do cargo que ocupa e abusando da confiança que lhe foi depositada”.

Nesta manhã, a PCDF cumpriu também outros dois mandados de busca e apreensão em endereços ligados funcionário. A Cecor assegura que não há indícios de participação da deputada nos crimes investigados. A assessoria de Telma Rufino confirmou que alvo da operação foi o chefe de gabinete. A ação da Polícia Civil foi em uma casa no Gama e em um flat na Asa Norte, onde o suspeito acabou preso. Não houve busca e apreensão no gabinete da parlamentar.

A deputada informou, por meio de nota, que teve conhecimento da operação policial por meio da imprensa e irá aguardar informações oficiais para se posicionar.

Foram apreendidos uma dezena de cartões em nome de terceiros, de crédito, o telefone pessoal do suspeito e grande quantidade de ocorrências policiais impressas da 19ª DP (P Norte), que foi chefiada pelo delegado Fernando Fernandes (Pros). Telma assumiu a vaga do policial, que é administrador de Ceilândia. (Colaboraram Francisco Dutra e Suzano Almeida).