Em dois anos, promotoria de combate à lavagem de dinheiro conseguiu bloqueio de R$ 141 milhões

MP atua em parceria com a Polícia Civil para combater o poder financeiro do crime


Em meio ao avanço das atividades financeiras das organizações criminosas, um projeto criado pelo Ministério Público (MP) contabiliza o bloqueio de R$ 141 milhões em bens e valores em quase dois anos de trabalho. O balanço do MP mostra que ações relacionadas especificamente a facções que atuam no Estado já resultaram no bloqueio de R$ 29 milhões nesse período.

A Promotoria de Combate aos Crimes de Lavagem de Dinheiro e Organização Criminosa foi criada em outubro de 2016 e trabalha em parceria com a Polícia Civil. A sistemática facilita, conforme o MP, a produção de provas para embasar denúncias.

— A criação da promotoria ocorreu porque percebemos que atuávamos pouco na lavagem de dinheiro. O foco era restrição de liberdade. Então, criminosos ficavam presos e seguiam gerenciando negócios. O trabalho representa mudança no enfrentamento da criminalidade — avalia o subprocurador-geral para Assuntos Institucionais do MP, Marcelo Dornelles.

Levantamento do órgão mostra que a promotoria já investigou 470 pessoas – das quais 265 foram denunciadas por crimes —, e 122 empresas. Foram realizadas 26 operações, com 304 mandados de busca e apreensão e 91 prisões. Foram apreendidos 240 carros e sequestrados 131 imóveis.

Além de R$ 135 milhões que estão bloqueados sob investigação, outros R$ 6 milhões foram recuperados. Esses valores podem ser revertidos em benefícios para a área da Segurança Pública.

— O objetivo é o trabalho articulado e planejado com a Polícia Civil, desde o começo da investigação até o andamento do processo, visando à qualificação da prova, alinhamento de atuação. Recentemente, tivemos queda nos índices de furto e roubo de veículos depois de dois trabalhos conjuntos — diz um dos promotores do projeto.

Números da ação conjunta
O avanço das atividades financeiras gerenciadas pelas facções se tornou novo desafio às autoridades, até então organizadas para combater crimes como tráfico de drogas e homicídios. Diante deste cenário, Polícia Civil e Ministério Público criaram, a partir de 2015, delegacias e setores destinados a esmiuçar a lavagem de dinheiro que ampara essas organizações criminosas.

Desde então, trabalhos conjuntos da Polícia Civil e da Promotoria Especializada no Combate aos Crimes de Lavagem de Dinheiro e Organização Criminosa resultaram na investigação de 216 pessoas ligadas a cinco diferentes facções, na denúncia de 156 suspeitos e na condenação de 18 pessoas. Também foram investigadas 72 empresas, apreendidos 89 carros e sequestrados 61 imóveis.

Desde janeiro do ano passado, a Delegacia de Polícia de Repressão ao Crime de Lavagem de Dinheiro do Gabinete de Inteligência da Polícia Civil fez quatro grandes ações contra grupos criminosos, apreendendo carros e bloqueando imóveis e valores.