Edinho, filho de Pelé e ex-Santos, é condenado a 33 anos de prisão por lavagem de dinheiro


O ex-jogador Edinho, filho de Pelé e atual treinador de goleiros do Santos, foi condenado neste sábado a 33 anos e quatro meses de prisão por lavagem de dinheiro relacionado ao tráfico de drogas. Além do ex-jogador, outros quatro réus receberam penas idênticas, dentre eles o traficante Naldinho, que era o chefe da operação, está desaparecido há mais de cinco anos e é considerado foragido.

A decisão foi tomada na 1ª Vara Criminal da Praia Grande pela juíza Suzana Pereira da Silva e, além da pena, foi determinada a perda de todos os bens apreendidos ao longo da investigação, dentre eles mais de 100 carros, que passarão a ser de posse da União.

Segundo reportagem do jornal "A Tribuna", o ex-atleta, que poderá recorrer da decisão e responder o processo em liberdade, foi pego nas escutas telefônicas combinando a abertura de uma empresa com Naldinho.

Edinho não teve muito sucesso na sua carreira como futebolista. Revelado no Santos em 1990, já com 20 anos, o goleiro passou pela Portuguesa Santista e pelo São Caetano antes de retornar ao alvinegro praiano e ser titular no vice-campeonato brasileiro de 95.

Considerado um goleiro mediano, ficou no clube até 1998, quando se transferiu para a Ponte Preta. No entanto, mais um problema com a justiça o fez encerrar a carreira aos 29 anos, depois de ser condenado por homicídio devido à morte de uma pessoa durante um "racha" que o jogador participou em Santos. Em 2005, ele foi absolvido do crime.