Dono dos refrigerantes Dolly é preso por suspeita de lavagem de dinheiro

Empresário é suspeito de fraudar R$ 4 bilhões em impostos estaduais e federais. Só em ICMS, pode ter deixado de recolher R$ 1,4 bilhão, diz MP.


O dono da fábrica de refrigerantes Dolly foi preso, nesta quinta-feira (10), em São Paulo. Ele é suspeito dos crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa e fraude fiscal.

Uma frota de carros valiosos alguns, de luxo, outros de colecionador; 13 no total. Três helicópteros, e R$ 340 mil em dinheiro. Esse é o resultado da operação que prendeu na manhã desta quinta-feira, o dono da fábrica de refrigerantes Dolly.

Laerte Codonho estava em casa, um condomínio de alto padrão, na cidade de Cotia, região metropolitana de São Paulo.

Policiais militares e promotores estiveram também no centro de distribuição da empresa, em São Bernardo do Campo. O empresário é suspeito de fraudar R$ 4 bilhões em impostos estaduais e federais. Só em ICMS, um tributo estadual, ele pode ter deixado de recolher R$ 1,4 bilhão, segundo o Ministério Público.

Laerte Codonho está preso temporariamente, por cinco dias. Também foram presos o ex-contador da empresa Rogério Raucci, e o ex-gerente financeiro Júlio César Mazzi. Na chegada à delegacia, o empresário disse que a prisão é um engano.

“A empresa que eles acusam de compra e remessa ilegal é a Lumia, que comprou os imóveis e pagou com dólares, estrangeira, não é minha. A minha chama Lumia Industries LLC. Estão me prendendo por uma empresa que não é minha”, disse Laerte.

Segundo a investigação, Laerte Codonho é suspeito de montar um grande esquema de fraude fiscal e lavagem de dinheiro. Teria começado com a emissão de notas fiscais irregulares e evoluído para empresas em nome de laranjas. Essas empresas, segundo os promotores, davam notas frias, e quando o estado tentava cobrar os tributos, não conseguia. Com essa estratégia, de acordo com a investigação, Laerte driblava o fisco.

“Havia esquemas para esconder valores dentro de empresas, o que não uma coisa normal, uma empresa que atua no mercado, normalmente, guarda o dinheiro no banco. Essa é uma evidência da sistemática sonegação de impostos. O objetivo é não pagar imposto”, explicou o promotor Arthur Pinto de Lemos Júnior.

O que dizem os citados

O grupo Dolly divulgou uma nota em que declara que a prisão de Laerte Codonho é injusta. Que o empresário sempre colaborou com as autoridades, que vai provar a inocência dele e recorrer contra a prisão temporária.

A defesa de Rogério Raucci disse que vai provar a inocência dele durante a investigação.

A equipe do JN não conseguiu contato com a advogada de Júlio Cesar Mazzi.