Deputados e população debatem a legalização de cassinos e bingos

Presidenta Dilma participou de encontro com parlamentares de vários estados para debater o tema


A possibilidade de legalização dos jogos de azar pelo governo federal já causou polêmica no Rio. Enquanto alguns parlamentares da bancada fluminense no Congresso são favoráveis, outros acreditam que o aumento na arrecadação por meio de taxas seria ilegal. A estimativa é de que a liberação de bingos e cassinos possa render anualmente até R$ 15 bilhões ao governo. Nesta sexta-feira, a presidenta Dilma participou de encontro com parlamentares de vários estados para debater o tema.

“O governo federal quer aumentar suas receitas com a contravenção e lavagem de dinheiro? É um absurdo! Vão acabar transformando o crime em legalidade. O destino do país não pode ser em função da mesa de um jogo”, criticou o deputado estadual Luiz Paulo (PSDB).

Outro contrário é o deputado federal Jair Bolsonaro (PP). “Daqui a pouco vão querer legalizar a maconha para gerar receita”, radicalizou o parlamentar. “Quanto maior a miséria do povo, mais ele se ilude com os jogos de azar”.

Já o deputado federal Wadih Damous (PT) vê o tema com outros olhos. “Desde que as atividades não configurem lavagem de dinheiro e que seja uma fonte tributária, não vejo problemas. Em várias nações desenvolvidas há cassinos”, lembrou.

Pelas ruas e praças de Copacabana, na Zona Sul da cidade, adeptos aos jogos de gamão, baralho e xadrez se animaram com a possibilidade dos jogos de azar serem legalizados. “Desde que seja com moralidade, decência, sem corrupção. Qual seria o problema?”, indagou a presidente do clube Recreativo e Cultural Posto 6, Marlene Jabour de Oliveira, de 68 anos.

Segundo ela, quem gosta dos jogos fica marginalizado. “Isso (a ilegalidade do jogo) só é bom para quem quer ganhar dinheiro fácil. Seria bom ter o jogo legalizado, pagando os impostos, tudo direitinho”, contou Marlene. O aposentado João Claudio Carvalho, 73 anos, salientou que o país está deixando de arrecadar com o jogo. “Estão jogando dinheiro fora, uma receita no lixo”, avisou. 

Beltrame quer regulamentação. PSOL tem dúvida

Secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, também se manifestou sobre a liberação de bingos, cassinos, entre outros jogos. Segundo ele, o processo precisa ser feito com transparência. “Sou a favor, desde que seja regulamentado, tenha nota fiscal, idoneidade, que as pessoas que trabalhem tenham expertise, que a arrecadação funcione, que gere emprego. Se fizer tudo isso, sou totalmente a favor. Agora, se fizer só uma lei legalizando e não regulamentar, vai dar problema. E se der problema, quem vai ter que resolver? A polícia. Aí não dá”, comentou Beltrame.

Em cima do muro, ficou o deputado federal Chico Alencar (PSOL). “Legalizar uma atividade que induz a ilusão de ganhar dinheiro, é questionável, mas nada pode ser descartado”, avisou o parlamentar.