Comissão Europeia quer que bancos vigiem contas de políticos


A Comissão Europeia vai obrigar os bancos a vigiarem as contas e os negócios de “pessoas politicamente expostas” para evitar o branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.

As novas regras da Comissão Europeia vão fazer com que os bancos de todos os Estados membros, incluindo Portugal, vigiem as operações financeiras e determinem a origem do património de “pessoas politicamente expostas”. Ou seja, quando houver uma transferência de dinheiro ou outro tipo de operação, as instituições bancárias devem "não só ser capazes de determinar a sua qualidade, como obter autorização da hierarquia imediata antes de estabelecer relações de negócios com tais pessoas", diz a advogada Filipa Marques Júnior ao Diário de Notícias.

Estas novas regras, que Portugal vai ter de adequar à lei nacional, estão previstas na directiva europeia que pretende prevenir os branqueamentos de capitais e o financiamento de terrorismo. Desde 2008 Portugal já actualizou a lei de combate à lavagem de dinheiro, prevendo que os políticos ou ex-políticos que residissem fora do país fossem vigiados.