CNSeg recebe trinta denúncias de suspeitas de fraudes por dia


A CNSeg está disponibilizando através do seu portal “Viver Seguro” (www.viverseguro.org.br) mais um importante serviço para a sociedade. Trata-se de um formulário online para denúncias anônimas de suspeitas de fraudes contra o seguro. A ideia é oferecer um canal direto para os contatos dos segurados.

Até agora, esse tipo de comunicação chegava à CNSeg principalmente através de parcerias que a confederação mantém com os serviços de “Disque Denúncia” de cinco estados: Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Pernambuco e Rio Grande do Sul. De acordo com os dados da CNSeg, através dessas parcerias, são feitas, em média, cerca de 30 denúncias por dia, sendo a grande maioria (20) no Rio de Janeiro.

Todas as denúncias serão imediatamente encaminhadas aos órgãos competentes, tais como a Polícia e a Susep, e para as seguradoras que forem alvo das quadrilhas de fraudadores.

No formulário, qualquer pessoa poderá descrever irregularidades e possíveis ilícitos em seguros, previdência privada e capitalização. O sigilo é garantido,  já que não existe nenhum campo para a identificação do denunciante no formulário eletrônico. Por essa razão, a CNSeg sugere que o campo “descrição da denúncia” reúna o máximo de informações, como placa, RG, CPF, nº da apólice etc., pois, mesmo não sendo informações obrigatórias, podem permitir e/ou facilitar a apuração do delito.

Segundo a entidade, os tipos de fraudes mais comuns no seguro automóvel são omissão de fatos nas vistorias e propostas; dados incorretos nas vistorias e propostas; inversão de responsabilidade; empréstimo de seguro; aumento de danos/simulação de avarias; superfaturamento de orçamentos; e falsa comunicação de roubo ou furto.

Já no Seguro Saúde, a maior parte é relativa à omissão de informações na declaração de saúde; empréstimo de carteira do Seguro Saúde; conivência na divisão de consultas; alteração de procedimentos médicos; declaração de consultas que não ocorreram; superfaturamento de remédios e materiais.

No ramo de Transportes, as fraudes incluem desvio de carga; contratação de mais de um seguro, com a finalidade de receber indenização em duas (ou mais) seguradoras; empréstimo de seguro; inclusão de bens ou mercadorias que não sofreram danos/prejuízos; falsa comunicação de sinistro; evento ocorrido antes ou depois da vigência do contrato/averbação.

No ramo de Vida e Acidentes Pessoais, são os tipos de fraude mais comuns: segurado falecido antes da contratação da apólice; informações falsas na proposta para contratação do seguro; simulação de mortes e de acidentes; e automutilação.