Brasil piora em ranking da corrupção em ano de impeachment e Lava-Jato


Em 2016, ano em que ocorreu o impeachment de Dilma Rousseff e a Lava-Jato avançou sobre políticos e empresários poderosos, o Brasil ficou em 79º no Índice de Percepção de Corrupção, apurado pela Transparência Internacional e divulgado em Berlim na madrugada desta quarta-feira (horário de Brasília). Em 2015, o Brasil estava um pouco melhor, em 76º. O Brasil ficou em 2016 empatado com Belarus, China e Índia no ranking, que busca traduzir a percepção sobre a corrupção no setor público, como nas polícias e no judiciário. 

O levantamento abrange 176 nações. Segundo a Transparência Internacional, dois terços dos países pesquisados estão classificadas no grupo em que há “corrupção endêmica”.

A Dinamarca é o país percebido como menos corrupto no mundo, seguida de Nova Zelândia, Finlândia, Suécia, Suíça, Noruega, Singapura, Holanda, Canadá e Alemanha. Na pior posição do ranking está a Somália, seguida de perto por Sudão do Sul e Coreia do Norte.

O estudo aponta que a América Latina teve bons exemplos de combate à corrupção, como no casa Panama Papers e a própria Lava-Jato, mas que “ainda há um longo caminho a percorrer” na região para se chegar a um combate sistêmico ao crime.