Bancos pagaram US$ 321 bilhões em multas desde crise financeira

Boston Consulting Group vê aumento contínuo de regulação


LONDRES – Os bancos já pagaram US$ 321 bilhões em multas desde 2008 por questões de lavagem de dinheiro a manipulação de mercado e financiamento de terrorista, de acordo com levantamento do Boston Consulting Group. E o número deve avançar nos próximos anos, à medida em que reguladores na Europa e na Ásia se aproximam das medidas mais agressivas tomadas nos Estados. Do total, US$ 42 bilhões foram pagos apenas em 2016, o que representa uma alta de 68% frente a 2015.

“Com o avanço das regulações, multas e penas, assim como gastos legais e de litigação, vão permanecer um custo de se fazer negócios. Administrar esses custos vai continuar a ser uma tarefa grande para os bancos”, afirmam os analistas liderados por Gerold Grasshoff.

A era de exigências regulatórias cada vez maiores está aqui para ficar, segundo o Boston Consulting Group, apesar da proposta de Donald Trump de rever a reforma feita após a crise financeira internacional. O texto diz que o número de mudanças na regulação por dia triplicou desde 2011, para uma média de 200.

No início de fevereiro, o presidente americano assinou um decreto para revisar a lei financeira sobre a reforma de Wall Street, que impôs regulações bancárias após a crise de 2008 para evitar novos choques econômicos.

Leia mais: Desregulamentação financeira nos EUA preocupa especialistas

“Regulação deve ser considerada uma alta permanente do nível do mar, não apenas uma onda que vai baixar ou um tsunami que vai recuar. Nós esperamos que o tema se mantenha apesar dos eventos recentes nos Estados Unidos”, escreveram os autores.

O documento aponta que, quase dez anos após a crise financeira internacional, a indústria bancária ainda não se recuperou totalmente das perdas. Segundo o Boston Consulting Group, a indústria ainda está € 9 bilhões no vermelho no período entre 2009 e 2015, apesar do lucro de € 159 bilhões em 2015. O cálculo considera os resultados operacionais dos bancos e incorpora o custo de capital.