Banco Safra condenado em R$ 300 milhões por acusação de fraude


A Justiça de São Paulo condenou o banco Safra e a Safra Seguros a pagarem R$ 300 milhões de indenização, mais correção, ao empresário Carlos Coutinho, que em 2003 denunciou na coluna do jornalista Claudio Humberto a fraude dos “seguros de prateleira”- apólices “frias” e falsas cobranças de seguradoras lançadas na conta das empresas dele no Rio de Janeiro e no Recife, para atingir metas e faturar até 79% em prêmios.

Segundo o autor do processo contra o Banco Safra, o esquema envolvia o banco Rural e seguradoras, que teriam dilapidado seu patrimônio.

Carlos Coutinho chegou a enviar um alentado dossiê ao Banco Central, Polícia Federal e também ao falecido senador Romeu Tuma.

O Banco Safra enviava à seguradora créditos debitados de clientes. Apólices viravam até brinde a diretores.