AML Consulting alerta sobre os riscos legais e reputacionais do caixa dois nas empresas

Prática indica crime de sonegação que pode ser punido com pagamento de multas e prisão de representantes legais


Muito se fala sobre caixa dois, mas pouca gente sabe do que se trata. A prática, apesar de ilegal, ainda não é prevista no Código Penal e consiste, por exemplo, no subfaturamento de vendas, na prestação de serviços ou na ausência total de contabilização de tais operações. Como esses valores não são declarados, não há pagamento de impostos, ou seja, quem segue esse modelo de negócio incorre em crime de sonegação fiscal. A AML Consulting, maior bureau reputacional e líder nacional no mercado de soluções e serviços de prevenção à lavagem de dinheiro, alerta para a importância de as empresas estarem atentas às suas relações comerciais.

“Caixa dois é uma prática comum no Brasil e não está restrita a poucas empresas. Parte desse dinheiro não declarado é ilícita, pois deveria ter sido recolhida aos cofres públicos na forma de impostos e, em algum momento, precisará ser absorvida pelo sistema financeiro. Consequentemente, surge outro crime, a lavagem de dinheiro, que coloca em risco setores que podem ser usados nesse processo, como os mercados financeiro e segurador, além de vários outros mais suscetíveis a esse tipo de crime”, explica Alexandre Botelho, sócio-fundador da AML Consulting.

Além dos impostos não pagos e dos consequentes impactos econômicos gerados, as empresas que adotam a prática comprovada de caixa dois terão que pagar multas e, em alguns casos, seus representantes legais podem vir a ser condenados a penas de prisão. Como reflexo do que aconteceu com importantes empresas envolvidas em escândalos, as instituições que buscam a estabilidade de seu negócio precisam se preocupar cada vez mais com a transparência e a manutenção da boa reputação.

E esse crime pode ir ainda mais longe chegando ao ambiente político, através de doações de recursos para campanhas eleitorais. O caixa dois representa um terço das acusações da lista do ministro Edson Fachin, relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Isso significa dizer que uma em cada três pessoas está envolvida em esquemas de caixa dois nos inquéritos abertos com base nas delações premiadas feitas por ex-executivos da construtora Odebrecht. “As relações entre empresas privadas, políticos, partidos e estatais precisam ser acompanhadas de perto para saber se houve algum benefício indevido”, conclui o especialista.

A AML Consulting oferece a seus clientes suporte nas atividades de prevenção e combate aos crimes de lavagem de dinheiro, financiamento do terrorismo, corrupção e fraudes. A empresa atua em três frentes: educação corporativa (com palestras, cursos e plataformas de e-learning), consultoria, e na gestão eficiente de riscos operacionais e reputacionais por meio de uma plataforma altamente assertiva e estruturada, o Risk Money Management System. Ela fornece dados para as áreas de gestão de riscos e compliance mitigarem riscos regulatórios e de imagem, garantindo as melhores práticas de governança corporativa. São mais de 20 mil fontes de informações monitoradas por robôs de captura e analisadas manualmente por especialistas, resultando em mais de 700 mil perfis cadastrados em seu banco de dados.

Sobre a AML

A AML Consulting é líder nacional no mercado de soluções e serviços de prevenção à lavagem de dinheiro. Com um portfólio completo voltado para a gestão eficiente dos riscos operacionais e de reputação, a empresa desenvolveu o Risk Money Management System, ferramenta que organiza informações sobre pessoas físicas e empresas associadas a atividades ilícitas vinculadas a crimes financeiros ou infrações penais que podem anteceder a lavagem de dinheiro. São mais de 20 mil fontes de informações monitoradas e mais de 700 mil perfis cadastrados em listas restritivas nacionais e internacionais, dados sobre Pessoas Politicamente Expostas (PEPs) e nos módulos socioambiental e de processos judiciais. Em outra frente complementar, a AML oferece consultoria e educação corporativa. Somente nos últimos sete anos, cerca de 20 mil profissionais foram capacitados através de treinamentos presenciais e à distância.