AM: 19 são presos em operação contra lavagem de dinheiro

Quadrilha atuava em Manaus (AM) e Fortaleza (CE) comprando senhas e cartões de crédito que usavam para adquirir e revender bebidas


A Polícia Civil do Amazonas prendeu 19 pessoas nesta segunda-feira durante uma operação contra uma quadrilha que atuava em Manaus (AM) e em Fortaleza (CE) comprando senhas e cartões de crédito direto de carteiros. Ao todo, estão sendo cumpridos 19 mandados de prisão e 25 de busca e apreensão. Os envolvidos são investigados há seis meses pelos crimes de lavagem de dinheiro, uso de documento falso e falsidade ideológica.

Entre os presos estão cinco carteiros, além de empresários do ramo de distribuição de bebidas. A assessoria de imprensa da Polícia Civil disse que dois mandados de prisão foram cumpridos na cidade de Fortaleza.

De acordo com a polícia, a quadrilha pagava valores entre R$ 100 a 300 para os carteiros, que vendiam senhas bancárias e cartões de banco – geralmente corporativos. Segundo fontes da polícia que participam da Operação Puro Malte, a quadrilha, depois de comprar as senhas dos carteiros, as usava para comprar bebidas e vender em distribuidoras para lavar o dinheiro.

"Em um ano a quadrilha movimentou, por baixo, mais de R$ 10 milhões. Em uma única operação, um dos líderes do esquema, Claudino Alves, de 51 anos, chegou a pegar empréstimo usando documentos falsos no valor de R$ 2 milhões", explicou o delegado Sandro Sarquis, da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), que coordenou as investigações.

Na casa de um dos alvos da operação, apontado pela polícia como o chefe da quadrilha, no conjunto Shangrilá, zona centro-sul de Manaus, muito dinheiro foi apreendido, além de documentos falsos, e dois carros de luxo. Um dos veículos custa aproximadamente R$ 115 mil. Em outro alvo, no bairro São José Operário, na zona leste, a polícia apreendeu R$ 8 mil, documentos falsos e cartões de crédito clonados.

A polícia apreendeu R$ 63 mil, além de jóias, duas armas e munições. Dez carros também foram recolhidos, entre eles uma BMW modelo X1 comprada a vista com um cartão de crédito clonado.

Segundo um delegado, que pediu para não ter o nome revelado, a mulher de um dos presos foi detida como testemunha para explicar de onde saíram os R$ 30 mil que foi pago, à vista, para ela fazer uma lipoaspiração há uma semana.

Crime Federal

Durante as investigações, a polícia também descobriu que a quadrilha fraudava a aposentadoria rural, crime federal que será repassado para a Polícia Federal investigar. "Com Mario Pereira e a mulher dele, Célia Regina de Jesus, presos em Fortaleza, encontramos muitos documentos de identidade falsos e muito material que mostra a fraude cometida na aposentadoria rural", explicou o delegado Mário Júnior, delegado adjunto da DRCO. A quadrilha agia no Amazonas, Ceará, Mato Grosso e Rondônia.