8 Mandados de Prisão em Rondônia: Polícia Federal deflagra Operação Dinízia II

Um grupo de madeireiros tomou posse de terras públicas da União, localizadas na faixa de fronteira com a Bolívia e divisas dos Estados do Amazonas, Acre e Rondônia.


A Polícia Federal no Estado de Rondônia, em parceria com as polícias estaduais (Civil e Militar) e Força Nacional de Segurança Pública, deflagra hoje, 31/05/2011, a Operação Dinízia II, objetivando desarticular uma quadrilha especializada em invasão de terras públicas da União e exploração ilegal de madeiras, atuante na região do distrito de Vista Alegre do Abunã/RO, divisa com o município de Lábrea/AM.

Foram expedidos 10 (dez) mandados de busca e apreensão e 8 (oito) mandados de prisão preventiva. Os mandados foram expedidos pela Vara Ambiental da Justiça Federal em Porto Velho/RO.

A investigação teve início no ano de 2010, com base em informações e denúncias recebidas por diversos órgãos, especialmente Polícia Federal, IBAMA e ICMBio.

De acordo com a investigação, um grupo de madeireiros tomou posse de terras públicas da União, localizadas na faixa de fronteira com a Bolívia e divisas dos Estados do Amazonas, Acre e Rondônia, instalando um condomínio/associação rural fictício para exploração ilegal de madeiras nobres do local. O grupo chegou a instalar um pedágio para que caminhões toreiros pudessem entrar na área federal, cobrando o valor de R$ 30,00 (trinta reais) por veículo.

Em operações anteriores, realizadas nos meses de julho e agosto de 2010 na mesma região, a Polícia Federal já havia apreendido diversas armas de fogo e uma parte da contabilidade da organização criminosa ali instalada sob a “aparência” de um condomínio. Naquela oportunidade foi detectada uma pequena parcela da contabilidade da quadrilha, registrando a passagem de cerca de 2.000 (dois mil) caminhões madeireiros pelo pedágio ilegal.

A organização criminosa ainda é suspeita de estar ligada a crimes de “pistolagem” na região, com vistas à manutenção de terras griladas e domínio sobre áreas da União para extração ilegal de madeira. Há suspeitas de que integrantes do grupo criminoso investigado efetuavam ameaças a líderes de movimentos sociais que disputavam as mesmas terras, bem como ameaças a autoridades públicas.

Os investigados serão indiciados pelos cometimentos dos delitos previstos nos artigos:
– Art. 155 do Código Penal (furto de bens da União);
– Art. 288 do Código Penal (formação de quadrilha);
– Art. 50-A da Lei nº 9.605/98 (crime ambiental);
– Art. 12 da Lei nº 10.826/03 (posse ilegal de armas).

Participam da Operação 65 policiais federais, 12 homens da Força Nacional, 10 policiais militares e 06 policiais civis.

Os presos serão recolhidos ao Sistema Prisional de Porto Velho/RO.