Líderes da igreja Renascer voltam ao Brasil após prisão nos EUA

SÃO PAULO – O casal Estevam e Sonia Hernandes, dirigentes da Igreja Apostólica Renascer em Cristo, voltaram neste sábado, 1º, a São Paulo depois de um período de 2 anos e 6 meses de prisão e liberdade condicional nos Estados Unidos. Condenados após tentar entrar no país com dólares não declarados, os dois seriam liberados pela Justiça americana no próximo dia 16 de agosto. No entanto, o juiz autorizou a antecipação da viagem porque um dos três filhos do casal está em estado grave em m hospital de São Paulo e corre risco de morte. 

O voo vindo de Miami chegou no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, por volta das 5 horas deste sábado. Estevam e Sonia Hernandes foram recebidos com festa por um grupo de 40 bispos e fiéis da Renascer, que pulavam e gritavam "apóstolo, eu te amo" e "ôôô, Renascer até morrer".

Enquanto Estevam sorria e era abraçado por fiéis, bispa Sonia, visivelmente abalada, foi cercada e consolada pelos amigos mais próximos. Segundo a assessoria de imprensa da igreja, os dois seguiram direto para o hospital, que não teve o nome divulgado, e não devem dar declarações.


O casal foi preso em janeiro de 2007 no Aeroporto de Miami ao tentar entrar no país com US$ 56.467 escondidos em uma Bíblia, em CDs gospel e em duas bolsas, embora tivessem declarado à alfândega U$ 10 mil cada um. 

No Brasil, os Hernandes respondem por lavagem de dinheiro, estelionato e falsidade ideológica na 1ª Vara de Justiça Criminal de São Paulo. Na denúncia, o Ministério Público de São Paulo refere-se à segunda maior comunidade neopentecostal do País como uma "organização criminosa montada para lavar dinheiro proveniente de estelionato". 

O Ministério Público ainda levantou cerca de 100 ações civis por cobrança de dívidas contra integrantes da Igreja – são processos trabalhistas, fiéis reclamando que foram obrigados a fazer doações, locatários que nunca receberam o dinheiro de aluguéis dos templos.